LOGÍSTICA REVERSA DAS EMBALAGENS DE AGROTÓXICOS: UM OLHAR SOBRE A EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO ATÉ A LEI 12.305/2010

Artigo principal Conteúdo

Nélida Duarte Barbosa e Silva
Patricia Guarnieri
Ana Maria Resende Junqueira

Resumo

O presente estudo teve por objetivo enfatizar as disposições da Política Nacional de Resíduos Sólidos, com base na Lei no. 12.305/2010, destacando o mecanismo da logística reversa em relação às embalagens de produtos agrotóxicos, em paralelo com as disposições especiais pertinentes às embalagens desses produtos, conforme previsto na Lei n. 7.802/1989 – “Lei dos Agrotóxicos” – e suas alterações posteriores. A preocupação com a destinação dos resíduos não é recente, principalmente, quanto àqueles advindos de produtos utilizados na agricultura, os quais acarretam danos ao meio ambiente e à saúde humana e animal. Tal fato tem instigado as organizações a identificarem formas de destinação adequada para os resíduos, principalmente quando considerados perigosos, como é o caso dos agrotóxicos. Esta preocupação inclui a divisão de responsabilidade com toda a cadeia produtiva, conforme a Lei no. 12.305/10 estabelece. Neste sentido, fez-se uma pesquisa bibliográfica, de cunho exploratório e descritivo, de natureza qualitativa. Percebeu-se que as legislações se complementam, por meio da utilização da logística reversa, contribuindo para a redução ou minimizando os resíduos das embalagens dos agrotóxicos. No entanto, sem dúvidas, o sucesso da implementação da logística reversa nessa cadeia ocorreu por pressões legais que tiveram origem na década de 80.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do Artigo

Como Citar
DUARTE BARBOSA E SILVA, N.; GUARNIERI, P.; RESENDE JUNQUEIRA, A. M. LOGÍSTICA REVERSA DAS EMBALAGENS DE AGROTÓXICOS: . Revista Científica Agropampa, v. 1, n. 1, 16 jul. 2019.
Seção
Artigos