O desenvolvimento dos ambientes de inovação: uma análise a partir da governança de parques tecnológicos e incubadoras

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Ravanello Felipe
Pereira Breno Augusto Diniz
dos Santos Maria Manuela Cardoso
Klein Leander Luiz

Resumo

O objetivo deste trabalho é identificar o grau de desenvolvimento da governança dos ambientes de inovação do estado do Rio Grande do Sul. Como base teórica do trabalho utilizou-se o modelo de governança proposto por Provan e Kenis (2008) e os seguintes fatores: Confiança, Número de Participantes, Congruência de Objetivos, Necessidade de Competências e Conflitos e Tensões. O método do estudo é caracterizado pela abordagem qualitativa com natureza exploratória, que foi realizado por meio do estudo de multicasos. Foram estudados como ambientes de inovação os parques tecnológicos e incubadoras situadas nos municípios de Porto Alegre, São Leopoldo, Novo Hamburgo, Santa Maria e Rio Grande. Para a coleta de dados utilizou-se entrevistas em profundidade junto aos gestores dos parques e incubadoras e dados secundários que foram analisados através da técnica de análise de conteúdo. Como resultados, destaca-se que em todos os ambientes de inovação verificou-se uma alta necessidade de competências em relação à mão de obra qualificada na gestão e governança. Além disso, constatou-se a necessidade de um maior número de pessoas disponíveis para desempenharem as funções administrativas desses ambientes. Conclui-se que, em geral, o grau de desenvolvimento dos ambientes de inovação é embrionário, com exceção de alguns que já estão em níveis mais avançados de desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
FELIPE, R.; BRENO AUGUSTO DINIZ, P.; MARIA MANUELA CARDOSO, DOS S.; LEANDER LUIZ, K. O desenvolvimento dos ambientes de inovação: uma análise a partir da governança de parques tecnológicos e incubadoras . Revista Estratégia e Desenvolvimento, v. 5, n. 2, 25 maio 2022.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Ravanello Felipe, UFSM

Mestre em Administração

Pereira Breno Augusto Diniz, UFSM

Doutor em Administração e Professor 

dos Santos Maria Manuela Cardoso, UFSM

Graduanda em Engenharia de Transportes e Logística

Klein Leander Luiz, UFSM

Doutor em Administração e Professor da UFSM

Referências

ANPROTEC/SEBRAE. Glossário dinâmico de termos na área de tecnópolis, parques tecnológicos e incubadoras de empresas de Brasília: Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas (Anprotec) e Sebrae, 2002.
ARAÚJO, V. C. Dimensão local da inovação no Brasil: determinantes e efeitos de proximidade. 2014. 189 p. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2014.
AUDY, J.; PIQUÉ, J. Dos parques científicos e tecnológicos aos ecossistemas de inovação [Recurso eletrônico on-line]: Desenvolvimento social e econômico na sociedade do conhecimento. – Brasília, DF: ANPROTEC, 2016.
BARDIN, L. Análise de conteúdo. Edições 70.Lisboa/Portugal, 2011.
BOUTELIGIER, S. Cities, Networks and Global Environmental Governance: Spaces of Innovation, Places of Leadership. New York: Routledge, p.119-141, 2012.
CARVALHO, D. R. P. Análise geográfica dos ambientes de inovação no Brasil: discussão do Programa Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. 2017. 298 f., Tese (Doutorado em Geografia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. Aglomerações, cadeias e sistemas produtivos e de inovação. Brasília: IEL, 2001.
CERQUEIRA-ADÃO, S. A. R., GONÇALVES, G. Empreendedorismo e startups: um estudo sobre as ações e iniciativas empreendedoras desenvolvidas na Universidade Federal do Pampa-Campus Santana do Livramento. Revista Estratégia e Desenvolvimento, v.3, n.2, 2019.
CHIOCHETTA, J. C. Proposta de um Modelo de Governança para Parques Tecnológicos – Tese, Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2010.
CRISAN, E.; KLUMPP, M. A model for business network governance: case study in the pharmaceutical industry. Word Academy of Science, Engineering and Technology. International Journal of Social, Behavioral, Educational, Economic, Business and Industrial Engineering. v. 6, n. 11, p. 3138-3142, 2012.
ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The Triple Helix – University, Industry, Government Relations: A Laboratory for Knowledge Based Economic Development. In: The Triple Helixof University, Industry, and Government Relations: the Future Location of Research Conference. Amsterdam, 1996.
EURADA. The European Association of Development Agencies. How to be an entrepreneurial region for the next ten years. 2002. Disponível em: . Acesso em: 5 mar. 2016.
GIUGLIANI, E. Modelo de governança para parques científicos e tecnológicos no Brasil. 201. 267 f.,Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.
HANSSEN, G.; MYDSKE, P.; DAHLE, E. Multi-level coordination of climate change adaptation: by national hierarchical steering or by regional network governance? Local Environment, v. 18, n. 8, p. 869-887, 2013.
JONES, C.; HESTERLY, W. S.; BORGATTI, S. P. A general theory of network governance: exchange conditions and social mechanisms. Academy of Management Review, v. 22, n. 4, p. 911-945, 1997.
LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2001.
LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Glossário de Arranjos Produtivos e Inovativos Locais. Arranjos Produtivos Locais: uma nova estratégia de ação para o SEBRAE. 4Rev, nov., 2004.
LIMA, M. J. G. Políticas públicas e desenvolvimento regional no Rio Grande do Sul: a governança como elemento político e social de desenvolvimento econômico. In: Papel dos parques tecnológicos no desenvolvimento regional, BEM, J. S. (org.), Caxias do Sul: EDUCS, 2013.
LONGARAY, A. A.; MUNHOZ, P. R.; SILVA, D. F.;GONÇALVEZ, F. A.; AMARAL, T. A. Uma proposição de plano de negócios para parques tecnológicos: o caso de uma universidade da rede federal de educação brasileira1.Revista eletrônica de Administração e Turismo, v.11, n.6, 1307-1325, 2017.
MANTOVANELI Jr., O.; SAMPAIO, C. A. C. Governança para o desenvolvimento territorial sustentável. RevistaBrasileira de CiênciasAmbientais, v.3, n. 18, 2010.
McEVILY, B.; ZAHEER, A. Architects of trust: The role of network facilitators in geographical clusters. In: Trust and distrust in organizativons, ed. KRAMER R.; COOK, K. New York: Russell Sage Foundation, p. 189–213, 2004.
PERROW, C. The analysis of goals in complex organizations. American Sociological Review, v. 26, p. 688–99, 1961.
PROVAN, K. G.; KENIS, P. Modes of network governance: structure, management and effectiveness. Journal of Public Administration Research and Theory, v. 18, n. 2, p. 229-252, 2008.
RODRIGUES, A. L.; MALO, M. C. Estruturas de governança e empreendedorismo coletivo: o caso dos Doutores da Alegria. Revista de Administração Contemporânea, v. 10, n. 3, p. 29-50, 2006.
SPOLIDORO, R.; AUDY, J. Parque Científico e tecnológico da PUCRS - TECNOPUC - Capítulo 2: Origens e evolução dos parques tecnológicos. EDIPUCRS.
STEINER, J. E.; CASSIM, M. B.; ROBAZZI, A. C. Parques Tecnológicos: Ambientes de Inovação, Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo/USP, São Paulo, 2008.
VAN DE VEN, A. H. On the nature, formation, and maintenance of relations among organizations. Academy of Management Review, v. 1, p. 24–36, 1976.
WEGNER, D. Governança, gestão e capital social em redes horizontais de empresas: uma análise das relações com o desempenho das empresas participantes. 2011,204f. Tese (Doutorado em Administração). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.
WILLIAMSON, O. E. Markets and hierarchies: Analysis and antitrust implications New York: Free Press, 1975.
YIN, R. K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 2º ed. Porto Alegre: Ed. Bookman, 2001.