AUTOGESTÃO E SUAS POSSIBILIDADES: CONTRIBUIÇÕES DAS NOÇÕES PÓS-ESTRUTURALISTAS DE COLETIVO E HETEROGENEIDADE

Artigo principal Conteúdo

Patricia Kinast De Camillis

Resumo

com origens anarquistas e fruto de movimentos operários, a autogestão é, geralmente, analisada e adotada como uma forma de contrapor a gestão capitalista, que age a partir de uma hierarquia e subordina o trabalho ao capital. Entretanto, sem deixar de ser uma possibilidade de se pensar a gestão, mas buscando ir além do contraponto, o presente ensaio teórico traz para a discussão os conceitos de coletivo e de heterogeneidade , oriundos de teorias pós-estruturalistas, para dizer que podemos ter autogestões em uma autogestão, assim como várias autogestões. Todas nos possibilitam e, ao mesmo tempo, são efeitos de diferentes ser e estar no mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do Artigo

Como Citar
DE CAMILLIS, P. K. AUTOGESTÃO E SUAS POSSIBILIDADES: CONTRIBUIÇÕES DAS NOÇÕES PÓS-ESTRUTURALISTAS DE COLETIVO E HETEROGENEIDADE. Revista Estratégia e Desenvolvimento, v. 4, n. 1, 14 ago. 2020.
Seção
Artigos

Referências

ALBUQUERQUE, Paulo Peixoto de. Autogestão. In: CATTANI, Antonio David. A outra economia. Porto Alegre: Veraz Editores, 2003 , p.20-26
BERTHIER, René. Concepções Anarco-sindicalistas da Autogestão. In: LEVAL, Gaston; BERTHIER, René; MINTZ, Frank. Autogestão e Anarquismo. São Paulo: Editora Imaginário. 2002, p.61-73.
CALLON, M; LAW, J. After the individual in society: lessons on collectivity from science, technology and society. 1997
CARVALHO, Nanci Valadares de. Autogestão: o governo pela autonomia. São Paulo: Brasiliense, 1983.
DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: . Capitalismo e Esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34. 1995
ESCOSSIA, L.; TEDESCO, S. PISTA 5 O coletivo de forças como plano de experiencia cartografica. In: PASSOS, E; KASTRUP, V; ESCOSSIA, L. Pistas do método da cartografia.., 2009, p. 92- 108
ESCÓSSIA,L.; KASTRUP,V .O conceito de coletivo como superação da dicotomia indivíduo sociedade. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 10, n. 2, p. 295-304, mai./ago. 2005
ESCOSSIA, L. O coletivo como plano de criação na Saúde Pública, 2009. Pág. 689.
ESCÓSSIA, L. A Invenção Técnica: transindividualidade e agenciamento coletivo. Informática na Educação:teoria & prática, Porto Alegre, v. 13, n. 2, p. 16-25, jul./ dez. 2010.
GAIGER, Luiz Inácio (Org.). Sentidos e experiências da economia solidária no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.
LATOUR, B. Reassembling the Social: An Introduction to Actor-Network Theory. New York: Oxford Press University, 2005.
LATOUR, B. Ciência em Ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora UNESP, 2000.
LATOUR, B. A Esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru: EDUSC, 2001
LATOUR, B. Reagregando o Social: uma introdução à teoria ator-rede. Salvador-Bauru: EDUFBA – EDUSC, 2012.
LATOUR, B. Políticas da natureza: como fazer ciência na democracia. Bauru: Edusc 2004a
LATOUR, B. Why has critique run out of steam? from matters of fact to matters of
concern. Critical Inquiry, v. 30, n. 2, p. 225-248, 2004b.
LATOUR, B.; WOOLGAR, S. A Vida de Laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1987.
LATOUR, B. On actor-network theory: A few clarifications. Página Eletrônica do Centre for Social Theory and Technology (CSTT), Keele University, UK, 1997.
LATOUR, B. Jamais fomos modernos. (C. I. da Costa, Trad.) Rio de Janeiro: Ed. 34. 1994
LATOUR, B. On Recalling ANT. In: LAW, J.; HASSARD, J. Actor-network theory and after. Oxford: Blackwell Publishing, p.15-25. 1999
LAW, J. A Sociology of Monsters: essays on power, technology and domination. London: Routledge.1991
LAW, J. Note on ANT: ordering, strategy and heterogeneity. Centre for Science Studies. Lancaster University, Lancaster LA1 4YN, 1992. Disponível em: .
LAW, J. Organizing Modernity. Oxford, UK ; Cambridge, Mass, USA, Blackwell. 1994.
LAW, John. Heterogeneities. Centre for Science Studies, Lancaster University, Lancaster. 1997. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2019.
LAW, J.; MOL, A. Notes on materiality and sociality. The Sociological Review, v. 43, n. 2, p. 274-294, 1995
MARTINS, Luci Helena Silva. Autogestão: sua atualidade, suas dificuldades. In: VIEITEZ, C.G. A Empresa sem Patrão. Marília: Unesp, 1997, p. 33-41.
MINTZ, Frank. Ensinamentos da autogestão espanhola. In: BERTHIER, René; LEVAL, Gaston; MINTZ, Frank. Autogestão e anarquismo. São Paulo: Editora Imaginário, 2002. p. 75-91
MOL, Annemarie. Ontological Politics. A Word and some questions. In John Law, John Hassard (Ed.), Actor Network Theory and After. Oxford: Blackwell Publishing. 1999.
MOL, A. The body multiple: ontology of medical practice. Durham: Duke University Press, 2002.
PRESTES MOTTA, Fernando Cláudio. Burocracia e autogestão (a proposta de Proudhon). São Paulo, Brasiliense, 1981.
RIOS, Gilvando Sá Leitão. O que é Cooperativismo. Col. Primeiros Passos 189. São Paulo: Brasiliense, 2 ed. 2007.
ROSANVALLON, Pierre. L’Age de l’autogestion. Paris : Éditions du Seuil, 1976.
ROSENFIELD, Cinara L. A autogestão e a nova questão social : repensando a relação individuo-sociedade. In: VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciencias Sociais, VIII, Coimbra, Portugal, 2004, p.01 – 16.
TAUILE,José Ricardo; RODRIGUES, Huberlan. Economia Solidária e Autogestão. Disponível em: www.unitrabalho.org.brpaginasartigos.html . Acesso em 21 Jun.2019.
TESCH, W. Dicionário básico de cooperativismo. São Paulo: Walter Tesch, 2000