Empreendedorismo – um conceito impreciso

Artigo principal Conteúdo

Patricia Tometich

Resumo

O propósito deste ensaio é discutir as definições de empreendedorismo, ilustrando que as suas diferenças, quando não consideradas e sem o cuidado de aprofundamento teórico, prejudicam a construção do conhecimento nas pesquisas acadêmicas, impedindo que se estabeleça uma teoria sólida nesse tema. Em um esforço de síntese, são apresentadas diferentes visões sobre o que é ser empreendedor e como esta “função” se relaciona com a economia e o desenvolvimento social. Considera-se o contexto do neoliberalismo, reconhecendo que o ideário neoliberal prescreve a forma empresa como solução para a organização dos negócios, das pessoas, da vida. Ao final, deixa-se a reflexão acerca do reflexo dessa imprecisão conceitual nas pesquisas para o ensino superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do Artigo

Como Citar
TOMETICH, P. Empreendedorismo – um conceito impreciso . Revista Estratégia e Desenvolvimento, v. 4, n. 1, 14 ago. 2020.
Seção
Artigos

Referências

BARRAT, Edward. The later Foucault in organization and management studies. Human Relations, v. 61, n. 4, 2008.
BENDASSOLI, Pedro F; BORGES-ANDRADE, Jairo Eduardo; GONDIM, Sonia Maria Guedes. Self-Control, Self-Management and Entrepreneurship in Brazilian Creative Industries. Paideia, v. 26, n. 63, p. 25-33, 2016.
BOSMA, Niels; KELLEY, Donna. GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR 2018/2019. Global Report. Chile: Gráfica Andes, 2018. Disponível em Acesso em 15 dez. 2018.
BRITO, Francisco; WEVER, Luiz. Empreendedores brasileiros II: a experiência e as lições de quem faz acontecer. São Paulo: Negócio Editora, 2004.
CASTRO, Carla Appollinario de. Crítica à razão empreendedora: a função ideológica do empreendedorismo no capitalismo contemporâneo. 2013 f. Tese (Doutorado em Ciências Jurídicas e Sociais). Programa de Pós Graduação em Sociologia e Direito, Universidade Federal Fluminense, 2013.
CHEA, Hock-Beng. Schumpeterian and Austrian Entrepreneurship: Unity within duality. Journal of Business Venturing, v. 5, n. 6, p. 341-347, 1990.
COASE, R. The nature of the firm. Economica, v.16, n. 4, p. 386-405, 1937.
DAVIDSSON, P. Researching entrepreneurship. NJ: Springer, 2004.
DIAS, Vanessa Tavares. WETZEL, Úrsula. Empreendedorismo como ideologia: análise do enfoque da revista Exame em dez anos de publicação (1990-99). Revista de Ciências Humanas, v. 44, n. 1, p. 97-118, 2010.
DORNELAS, J. C. A. Transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
DRUCKER, P. Inovação e espírito empreendedor. São Paulo: Thomson Learning, 2005.
ELMEIER, Andrea. Cultural entrepreneurialism: on changing relationship between the arts, culture and employment. International Journal of Cultural Policy, v. 9, n. 1, p. 3-16, 2003.
FAIRLIE, Robert W. FOSSEN, Frank M. Opportunity versus necessity entrepreneurship: Two components of business creation. Institute of Labour Economics – IZA DP. Discussion Paper Series, n. 11258, January 2018. Disponível em Acesso em: 10 mar. 2018.
FOUCAULT, M. Nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.
HOWKINS, John. Economia criativa: como ganhar dinheiro com ideias criativas. São Paulo: M. Books, 2013.
KIRZNER, I. Competição e atividade empresarial. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1986.
LEITE, Elaine da Silveira; MELO, Natália Máximo. Uma nova noção de empresário: a naturalização do “empreendedor”. Revista Sociologia Política, v. 16, n. 31, p. 33-47, 2008.
LOACKER, Bernardette. Becoming ‘culturepreneur’: How the ‘neoliberal regime of truth’ affects and redefines artistic subject positions. Culture and Organization, v. 19, n. 2, p. 124-145, 2013.
HARVEY, David. O novo imperialismo. São Paulo: Edições Loyola, 2014.
LIMA, Jacob Carlos. Do Assalariamento e suas variações: do trabalho típico ao atípico. In: BORSOI, Izabel Cristina Ferreira; SCOPINHO, Rosimeire Aparecida (Orgs.). Velhos trabalhos, novos dias: modos atuais de inserção de antigas atividades laborais. Fortaleza: Edições UFC, 2007.
MISES, L. V. Ação humana: um tratado de economia. SP: Instituto L von Mises, 2010.
PUELLO-SOCARRÁS, J. F. Nueva gramática del neo-liberalismo: itinerários teóricos, trayectorias intelectuales, claves ideológicas. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, 2008.
______________________. “Ocho tesis sobre el neoliberalismo (1973-2013)” en: RAMÍREZ, Hernán. O neoliberalismo sul-americano em clave transnacional: enraizamento, apogeu e crise. São Leopoldo: Oikos - Unisinos, pp. 13-57, 2013.
SOLÉ, A. L’entreprise: une invention latine. In: Colóquio Internacional sobre Poder Local. Salvador, 2003.
SWEDBERG, R. The cultural entrepreneur and the creative industries: beginning in
Vienna. Journal of Culture Economics, v. 30, n. 4, p. 243-261, 2006.
_____________. Entrepreneurship: The social science view. Oxford: 2000.
TAVARES, Maria Augusta. O empreendedorismo à luz da tradição marxista. Revista Em Pauta, v. 16, n. 41, p. 107-121, 2018.
VENKATARAMAN, Sankaran. The distinctive Domain of Entrepreneurship Research. Advances in Entrepreneurship, Firm Emergence and Growth, In J. Katz and R. Brockhaus, eds., Advances in Entrepreneurship, Firm Emergence, and Growth, Volume III v. 3, 1997.
WILLIAMS, Nick; WILLIAMS, Collin C. Beyond necessity versus opportunity entrepreneurship: some lessons from English deprived urban neighborhoods. International Enterpreneurship and Management Journal, v. 10, n. 1, p. 23-40, 2014.