Violência e processos eleitorais na África Austral

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Nathaly Schutz

Resumo

Os países da África Austral, após um período de grandes crises violentas, frutos dos processos de independência e do contexto da Guerra Fria, pacificaram-se, em sua maioria, no final da década de 1990 e início dos anos 2000, com a exceção do Zimbábue, que segue sendo um dos principais focos de instabilidade na região. Na última década, todavia,  episódios violentos tornaram-se recorrentes em alguns países da região. Grande parte dessas crises violentas relaciona-se aos processos eleitorais. Os conflitos atuais envolvem, assim, questões de representatividade e de restrição da participação política, evidenciando aspectos característicos do processo de construção do Estado e de suas instituições. O objetivo dessa pesquisa é analisar as crises violentas ocorridas nos países da África Austral, a partir de 2010, relacionadas com eleições e liberdade de organização política. Parte-se do pressuposto de que há uma relação entre as variáveis restrição de direitos políticos e conflitos internos. Os casos analisados, considerando os países da região que apresentam conflitos relacionados a aspectos políticos segundo o Conflict Barometer, serão: Angola, Moçambique, África do Sul, Tanzânia e Zimbábue.  A pesquisa irá adotar a metodologia qualitativa e o método de abordagem será o comparativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SCHUTZ, N. Violência e processos eleitorais na África Austral. Cadernos de Relações Internacionais e Defesa, v. 3, n. 4, p. 75-94, 21 mar. 2022.
Seção
Artigos