(In)telectuias OS INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO ENTRE HISTÓRIA E MEMÓRIA: O INSTITUTO SUPERIOR DE ESTUDOS BRASILEIROS.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Cleber Ferreira dos Santos

Resumo

Este trabalho teve como principal objetivo compreender, de que modo um grupo de intelectuais, imersos na política desenvolvimentista do Brasil da década de 1950 representaram, através do Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB), a problemática do (Sub) desenvolvimento como um projeto de educação. Posto ser este um estudo de caráter histórico, como fonte de pesquisa privilegiamos um documento descrito como Relatório Sucinto de Atividades do ISEB, dando ênfase a aulas que foram ministradas e publicadas, no período entre 1956 a 1960, com o objetivo de entender o papel ocupado pela educação na política desenvolvimentista do Brasil daquele tempo. Para tanto, fundamentamos nosso trabalho a partir de uma perspectiva Histórico Cultural, privilegiando o esquema conceitual de Roger Charter (1990). Como resultado, podemos afirmar, que a educação presente no ISEB teve como principal objetivo intervir na problemática do subdesenvolvimento daquela época, a partir de um ideal de “novo modelo de homem”, propagado através de aulas em circulação no interior do MEC. Neste sentido, as aulas lecionadas no Ministério da Educação cumpriam não só um papel pedagógico, mas   também político, cuja finalidade era relevar  as principais problemáticas que impediam o Brasil de romper com o subdesenvolvimento sociocultural e político-econômico daquela época.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
FERREIRA DOS SANTOS, C. (In)telectuias OS INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO ENTRE HISTÓRIA E MEMÓRIA:. Missões: Revista de Ciências Humanas e Sociais, v. 7, n. 3, p. 1-19, 7 fev. 2022.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Cleber Ferreira dos Santos, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutorando em História social das ideias políticas, pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Mestre em Educação pela mesma Universidade. Atualmente desenvolve pesquisa sobre o pensamento político do intelectual Hélio Jaguaribe. 

Referências

ALVES, Alzira de Abreu: Instituto Superior de Estudos Brasileiros (Iseb). In: FERREIRA, Jorge; REIS, Daniel Aarão (org.). Nacionalismo e reformismo Radical (1945 – 1964). As Esquerdas no Brasil. vol. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

ANDERSON, Benedict R. Comunidades imaginadas. São Paulo, Companhia das Letras, 2008.

BOURDIEU, Pierre. A produção da crença: contribuições para uma economia dos bens simbólicos. Porto Alegre, RS: Zouk, 2015.

BOURDIEU, Pierre. Campo de poder, campo intelectual. Itinerário de un concepto. s/l: Montressor, 2002.

BOBBIO, N. Os intelectuais e o poder: dúvidas e opções dos homens de cultura na sociedade contemporânea. São Paulo, Editora da Unesp, 1997.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

CORBISIER, Roland. Formação e problema da cultura brasileira. MEC, Rio de Janeiro, 1958.

CHARTIER, Roger. A beira da falésia: a História entre certezas e inquietudes. Tradução Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Ed. UFRS, 2002.

CHARTIER, Roger. A força das representações: história e ficção / João de Castro Rocha (Org). Argos, 2011.

CHARTIER, Roger. História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel; Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1990.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Estud, São Paulo V.S, N, 11, abril, 1991.

CHARTIER, Roger: A história ou a leitura do tempo. Tradução de Cristina Antunes – ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

CHARTIER, Roger; Bourdieu, Pierre. A leitura:Uma Prática Cultural. Debate entre Pierre Bourdieu e Roger Chartier. In: Chartier, R. (org) práticas de leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 2001, p.229-254.

_______________, (1959 3º ed). Ideologia e Desenvolvimento Nacional.
ISEB/MEC

KOSELLECK, Reinhart, 1923-2006, Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2006.

Le Goff, Jacques, 1924, História e Memória - Campinas, SP, Editora da UNICAMP. 1990.

LEITE, Juçara, Luzia/ ALVES, Claudia. Intelectuais e história da educação no Brasil: poder, cultura e política. - Vitória: EDUFES, 2011.

MICELI, Sergio. Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

ORTIZ, Renato. Civilização brasileira e identidade nacional. Editora brasiliense. São Paulo, 1985.

OLIVEIRA, Maria Teresa, C. O ISEB e seu projeto de educação ideológica. In: Associação Nacional de História (ANPUH), XXIV Simpósio Nacional de História, 2007. Anais... São Leopoldo: Simpósio, 2007.

PAIVA, Vanilda Pereira: Paulo Freire e o nacionalismo desenvolvimentista. São Paulo: Graal, 2000, p. 163 .

PÉCAUT, Daniel, Os Intelectuais e a Política no Brasil: “Entre o Povo e a Nação”. Ed, Ática, 1990.

POSTERNAK, Léo. Intelectuais do ISEB e populismo: modernização e nacional-desenvolvimentismo. In: Associação Nacional de História (ANPUH), XXVI Simpósio Nacional de História, 2011. Anais... São Paulo, 2011.

SIRINELLI, J-F. Os Intelectuais. In: Rémond, R. Por uma história política. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

SODRÉ, Nelson Werneck. Síntese de história da cultura brasileira. Rio de Janeiro, Civilização brasileira, 1978.

TOLEDO, Caio Navarro de (org): Intelectuais e Política no Brasil; a experiência do Iseb. Rio de Janeiro, Revan 2005.

TOLEDO, Caio Navarro de. ISEB: Fábrica de Ideologias. 2. Ed. São Paulo, Ática, 1978.

VALE, Antônio Marques. O ISEB, os Intelectuais e a Diferença: Um diálogo Teimoso na Educação. São Paulo, Editora Unesp, 2006.