O PROCESSO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL SOB O OLHAR DE UMA EXPERIÊNCIA DE SUPERVISÃO

Artigo principal Conteúdo

Frida Dinareli
Walter Frantz

Resumo

Este estudo volta-se à discussão sobre a tríade de Estágio Supervisionado em Serviço Social, composta por alunos, supervisores de campo e supervisores de acadêmicos. As fundamentações teóricas estão baseadas nas legislações: da política de educação nacional, sobre estágio em Serviço Social e os documentos norteadores sobre estágio nesta área. Acrescenta-se a sistematização à luz dos ensinamentos de diversos autores, principalmente, da perspectiva freireana de Educação Popular. Metodologicamente apresenta-se, pesquisa de tipo qualitativa e documental. Apresenta-se uma análise a partir da interpretação e coleta de dados documentais em três diários de campo de Assistentes Sociais em formação, os quais produzidos em atividades de estágio curricular durante o curso de graduação em Serviço Social. Como resultado, fica nítido que a supervisão dos alunos estagiários apresenta problemas como omissão, conhecimento insuficiente sobre as demandas da profissão, etc. Conclui-se que há limites de precária formação e de habilidades para supervisão, e, mesmo que se prejudique, o aluno expressa crítica pela capacidade reflexiva e domínio de conhecimento. Quanto às relações da tríade, evidenciou-se que as instituições parceiras exercem poder velado por oferecerem serviço à instituição de ensino, que necessita inserção do aluno/cliente, mas que colabora provocando mudanças significativas, especialmente à autonomia técnica do profissional do campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do Artigo

Como Citar
DINARELI, F.; FRANTZ, W. O PROCESSO DE ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL SOB O OLHAR DE UMA EXPERIÊNCIA DE SUPERVISÃO. Missões: Revista de Ciências Humanas e Sociais, v. 7, n. 1, 22 jul. 2021.
Seção
Artigos

Referências

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2004.

BRASIL. República Federativa do Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 22 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 31 de ago. 2020.

BRASIL. Conselho Federal de Serviço Social. Lei n. 11.788, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996; revoga as Leis nos 6.494, de 7 de dezembro de 1977, e 8.859, de 23 de março de 1994, o parágrafo único do art. 82 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e o art. 6o da Medida Provisória no 2.164-41, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em: https://bityli.com/qVBu5. Acesso em: 31 de ago. 2020.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Ramalhete. Ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 22. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: Um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. Notas: Ana Maria Araújo,Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

LEWGOY, Alzira Maria Baptista. Supervisão de Estágio em Serviço Social: desafios para a formação e o exercício profissional. 2. ed. São Paulo: Ed. Cortez Editora, 2010

MINAYO, M. C. S. (org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade – Petrópolis, RJ: Vozes, 23ª ed. 1994.

SANTOS, Boaventura de Souza. Conhecimento Prudente para uma Vida Decente: ‘Um discurso sobre as Ciências’ revisitando. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

SANTOS, Boaventura de Souza. Na oficina do sociólogo artesão: aulas 2011-2016. São Paulo: Cortez, 2018.