Autobiografia na arte contemporânea como descentralização do sujeito

Artigo principal Conteúdo

Lucas Alberto Miranda

Resumo

O presente artigo desenvolve-se a partir da problematização do campo da autobiografia na contemporaneidade. Em uma retrospectiva histórica, o trabalho delineia como o discurso autobiográfico foi forjado e estruturado na cultura europeia sob a égide de uma subjetividade privatizada inscrita nos limites de um corpo impartilhável.  Apontando para uma transformação – operada principalmente no âmbito artístico – das formas de produção de si, partilha do corpo e transmissão da história pessoal, a pesquisa explora nos trabalhos contemporâneos autobiográficos uma crítica aos modelos clássicos de produção narrativa autobiográfica. Essa hipótese de descentramento da narrativa pessoal e consequente desterritorialização da intimidade na arte contemporânea autobiográfica é estudada no artigo a partir de duas obras, “Objetos Aprisionados”, de Nazareth Pacheco, e “Como não posso me entregar por completo, entrego-me em partes”, de Lucas Alberto. Delineando um diálogo entre as duas proposições, a pesquisa compreende uma proposta de descentramento e fragmentação do corpo e da intimidade que nos apresenta outros modos de produção de si na cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do Artigo

Como Citar
MIRANDA, L. A. Autobiografia na arte contemporânea como descentralização do sujeito. Missões: Revista de Ciências Humanas e Sociais, v. 6, n. 4, p. 224-244, 29 abr. 2021.
Seção
Artigos

Referências

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.
BARTHES, Roland. A morte do autor. In O rumor da língua. São Paulo: Brasiliense, 1988.
BAKTHIN, Mikail. Estética de la creación verbal. México: Siglo XXI, 1982.
CHNAIDERMAN, Miriam. Inventando corpos e ou desvelando o erótico em inquietante devassidão: o encantamento dolorido. In Catálogo Nazareth Pacheco, Galeria Brito Cimino: São Paulo, 2003.
COOLEY, Thomas. Educated lives: the rise of modern autobiography in America. Columbus: Ohio State University Press, 1976.
DELEUZE, G. O abecedário de Gilles Deleuze. 1989. In Escola Nomade (online) Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2020.
DELORY-MOMBERGER, Christine. Filiações de rupturas do modelo autobiográfico na pósmodernidade. In: GALLE, Helmut (org.) Em primeira pessoa. Abordagens de uma teoria da Autobiografia. São Paulo: Fapesp; USP, 2009.
FOUCAULT, Michel. Tecnologias de si. Traduzido a partir de FOUCAULT, Michel. Dits et écrits. Paris: Gallimard, 1994, Vol. IV, pp. 783-813, por Karla Neves e Wanderson Flor do Nascimento, 01-23.
______. A Ordem do Discurso. São Paulo: Loyola, 1996
______. A Ética do Cuidado de Si como Prática da Liberdade. Entrevista com H. Beker, R. Fonlet-Betancourt, A. Gomez-Müller, em 20 de janeiro de 1984, Concordia. Revista internacional de filosofia, n° 6, julho-dezembro de 1984, ps. 99-116.
GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método; tradução de Flávio Paulo Meurer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.
GAGNEBIN, Jeanne Marie. Walter Benjamin ou a história aberta (Prefácio). In: Walter Benjamin Obras Escolhidas. Magia e Técnica, Arte e Política (v. 1).5. ed. São Paulo: Brasiliense, 1993.
GINZBURG, Jaime. Impacto da violência e constituição do sujeito: um problema de teoria da autobiografía In: Em primeira pessoa. Abordagens de uma teoria de Autobiografia. São Paulo: Fapesp; USP, 2009.
HARAWAY, Donna. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século 20, 1985.
LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.
___. Autoficções & Cia. Peça em cinco atos. In: NORONHA, Jovita Maria Gerheim (Org.). Estudos sobre Autoficção. Tradução Jovita Maria Gerheim Noronha e Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Hori-zonte: Editora UFMG, 2014b.
MACEDO, Thais. Espaço público: da modernidade à pós-modernidade. In: Encontro Nacional XVII – Desenvolvimento, Crise e Resistência: quais os caminhos do planejamento urbano e regional? – ANPUR, 2019, Natal, RN. Anais (on-line). Disponível em: http://anpur.org.br/xviiienanpur/anaisadmin/capapdf.php?reqid=1587. Acesso em: 25 nov. 2020.
MIRANDA, Lucas Alberto. Subjetividade e política na arte contemporânea autobiográfica. In: MACEDO, Daniela (Org.). Artes: propostas e acessos. Ponta Grossa, PR: Atena, 2020.
RIVERA, Tania. O avesso do Imaginário. São Paulo: Cosac Naif; 2013.
STAROBINSKI, Jean. The Style of autobiography. In OLNEY, James (Org.). Autobiography: essays theoretical and critical, Princeton: Princeton University Pres, 1972.
______. Jean-Jacques Rousseau: a transparência e o obstáculo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.
STURROCK, John. The language of autobiography: studies in the first person singular. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.