Educação profissional e tecnológica e Arte: aporte teórico de uma investigação

Artigo principal Conteúdo

ELIZANDRA SIRLEI DEL ZOTTO RITTER RITTER

Resumo

No âmbito do Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT), ancorado à área de ensino da Capes, este estudo vinculou-se a uma investigação que propôs-se a compreender de que modo os movimentos dos jovens, em suas dimensões sócio-culturais, puderam oferecer subsídios colaborativos na revitalização e ressignificação de espaços de convivência, potencializando sua formação integral na etapa do Ensino Médio profissionalizante. A referida pesquisa intitulou-se Movimentos juvenis: a revitalização de espaços de convivência pela Arte como forma de resistência. Como uma investigação de abordagem qualitativa com cunho bibliográfico e documental, referente aos documentos que normatizam os processos educativos da educação profissional e tecnológica da instituição na qual a pesquisa aconteceu, este estudo trata da revisão bibliográfica que embasou todo o processo de pesquisa, na interlocução dos universos juvenil e da educação profissional e tecnológica, sob uma perspectiva da Arte educação. Subsidiando as discussões realizadas nesta trajetória acadêmica, utilizam-se as bases da teoria materialista histórico-dialética de Marx e pesquisadores que se apoiam neste referencial marxista: Saviani, Frigotto, Nosella; e Gramsci, complementando um entendimento de formação omnilateral e de educação profissional e tecnológica. Tratando de conceitos como interculturalidade, estética do cotidiano e percepções artísticas, movimentam-se discussões a partir de Dewey, Barbosa, Richter e Candau. Pesquisadores como Dayrell e Pais ET ALL auxiliam nas percepções sobre a construção da identidade juvenil, assim como Bazzo, Linsingen e Pereira nos debates que envolvam a educação profissional e tecnológica e os Estudos Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente (CTSA).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do Artigo

Como Citar
RITTER, E. S. D. Z. R. Educação profissional e tecnológica e Arte: aporte teórico de uma investigação. Missões: Revista de Ciências Humanas e Sociais, v. 6, n. 4, p. 127-147, 29 abr. 2021.
Seção
Artigos

Referências

BACICH, L.; ET ALL. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.
BARBOSA, Ana Mae. Tópicos Utópicos. Belo Horizonte: C/Arte, 1998.
BARBOSA, Ana Mae; COUTINHO, R. G. (Orgs.). Arte/Educação como mediação cultural e social. São Paulo: UNESP, 1991.
BAZZO, W. A. De técnico e de humano: questões contemporâneas. Florianópolis: Ed. UFSC, 2019.
BAZZO, W. A., LINSIGEN, Irlan Von, PEREIRA, L. T. O que são e para que servem os estudos CTS? In: Organización de Estados Iberoamericanos, 2000.
BAZZO, W. A.; PALACIOS, E. M. G., GALBARTE, J. C. G., LINSINGEN, Irlan von, CEREZO, J. A. L., LUJÁN, J. L., GORDILLO, M. M., OSORIO, C.; PEREIRA, L. T. do Vale, VALDÉS, C. Introdução aos estudos CTS (Ciência, Tecnologia e Sociedade). In: Cadernos de Ibero-América, Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação Tecnológica-NEPET, UFSM, 2003.
BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Diretoria de Avaliação. Documento de Área. Ensino 2017, 2018.
CANDAU, V. M. F. Diferenças culturais, interculturalidade, e educação em direitos humanos. Educação e Sociedade, v. 33, n. 118, Campinas, jan./mar., 2012.
CIAVATTA, M. A Formação Integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e identidade. Trabalho Necessário. Ano 3, n. 3, 2005.
DAYRELL, J. O jovem como sujeito social. Rev. Brasileira de Educação, n. 24, set./out./nov./dez., 2003.
__________. A escola faz as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educação e Sociedade. Campinas, v. 28, n. 100, p. 1105-1128, out. 2007.
DAYRELL, J. T; JESUS, R. E. de. Juventude, ensino médio e os processos de aprendizagem. Educação e Sociedade, v. 37, n, 135, p. 407-423, abr/jun., Campinas, 2016.
DEWEY, John. Democracia e educação. São Paulo: Companhia Editora Nacional,1959.
__________. Arte como experiência. São Paulo: Martins Fontes, 1985.
__________. Experiência e educação. Petrópolis: Vozes, 2011.
FRIGOTTO, G. Educação e Trabalho: bases para debater a Educação profissional Emacipadora. Perspectiva, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 71-87, jan./jun. 2001. \

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.
___________. Quaderni del cárcere. Edizione critica. Organização Gerratana. Turim: Einaudi, 1975.
INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE (FSUL). Projeto Pedagógico Institucional do Instituto Federal Sul-rio-grandense. Pelotas, 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2019.
______________. Cursos Técnicos. Eventos. Campus Sapucaia do Sul, 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 maio de 2019.
LARAIA, R. de B. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro, Zahar, 2013.
MARX, K. O capital. V.I. São Paulo: Abril Cultural, 1983.
_______. O capital. V. II. São Paulo: Abril Cultural, 1984.
_______. O capital. V. III. São Paulo: Abril Cultural, 1985.
MORÁN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Vol. II. Foca Foto –PROEX/UEPG, 2015.
NOSELLA, P. Trabalho e perspectivas de formação dos trabalhadores: para além da formação politécnica. Revista Brasileira de Educação, v.12, n.34 jan./abr. 2007.
PAIS ET ALL. Juventudes contemporâneas, cotidiano e inquietações de pesquisadores em educação – uma entrevista com José Machado Pais. Educar em Revista, Campinas, n. 64, p. 301-313, abr./jun., 2017.
RADER, M.; JESSUP, B. Art and human values. New Jersey: Prentice-Hall, 1976.
RICHTER, I. M. Interculturalidade e estética do cotidiano no ensino das artes visuais. São Paulo: Mercado das Letras, 2003.
SAVIANI, D. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 34, p. 152-180, jan./abr. 2007.
VITA, L. W. Tendências do pensamento estético contemporâneo no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1976.