HERÓI COR DE ROSA UM OLHAR SOBRE MASCULINIDADES NA SÉRIE DE ANIMAÇÃO STEVEN UNIVERSE

Artigo principal Conteúdo

Leonardo Costa
Regiane Regina Ribeiro

Resumo

As animações televisivias historicamente trazem diferentes corpos e vivências possíveis quando se trata de seus personagens. No âmbito dos heróis masculinos, contudo, tem-se uma supervalorização daqueles mais atrelados à uma possível imagem de hegemonia no período de exibição e criação desses personagens. Há também resistências e rupturas com esses modelos, como no caso do personagem principal da série Steven Universe, objeto de análise desta pesquisa. Com base na Análise Crítica da Narrativa, busca-se entender como se dá a contrução do personagem masculino por meio de modelos de resistência como o que ocorre na série estadunidense em questão. O marco teórico percorre as teorias sobre o potencial da animação, bem como reflexões sobre masculinidades no âmbito global e específico estadunidense, já que a série e o herói que a conduz são produções do país. Entre os resultados, percebeu-se que, ao associar o herói com âmbitos do feminino negados pelas ideologias mais tradicionais de masculinidades, este é posicionado como um elemento narrativo estrategicamente eficaz no sentido de romper com as ideias de masculinidades hegemônicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do Artigo

Como Citar
COSTA, L.; RIBEIRO, R. R. HERÓI COR DE ROSA. Missões: Revista de Ciências Humanas e Sociais, v. 6, n. 4, p. 1-17, 29 abr. 2021.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Regiane Regina Ribeiro, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Professora permanente da linha de pesquisa em Comunicação e Formações Socioculturais do Programa de Pós-graduação em Comunicação-UFPR.

Referências

CONNELL, Raewyn. Hegemonic Masculinity: rethinking the concept. Gender and Society, v.19, n.6, 2005.
_____. La organización social de la masculinidad. In: Masculinities. University of California Press, Berkeley, 1995.
CONNELL, Robert W. Políticas da masculinidade. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, n.2, v. 20, p.185-206, 1995.
COSTA, Rodrigo Adauto. Animação, a 8ª arte: hibridação e especificidade de uma arte independente. Curitiba: Edição do autor, 2018.
FOSSATTI, Carolina Lanner. 2011. Cinema de animação: um diálogo ético no mundo encantado das histórias infantis. Porto Alegre: Suina. 270p.
GROSSI, Miriam Pillar. Masculinidades: Uma revisão teórica. Revista Antropologia em primeira mão. n.1, p.1-37, 2004.
JOST, François. Do que as séries americanas são sintoma? 1ed. Porto Alegre: Sulina, 2012.
KAUFMAN, Michael. The Construction of Masculinity and the Triad of Men’s Violence. In: Beyond Patriarchy: Essays by men on pleasure, power and change. Toronto: Oxford Univerity Press, 1987.
KIMMEL, Michael. Guyland: the perilous world where boys become men. New York: Harper Collins, 2008.
_____. Angry White Men: American masculinity at the end of an era. New York: Nation Books, 2013.
LUCENA JÚNIOR, Alberto. A arte da animação: técnica e estética através da história. São Paulo: Senac São Paulo, 2001.
MARTIN, Rebecca. Gender and emotion stereotypes in children’s television. Journal of Broadcasting & Eletronic Media, v.63, p. 499-517, 2017.
MCDONELL, Chris. Steven Universe: Art and origins. Philadelphia: Abrams, 2017.
MOTTA, Luiz Gonzaga. Análise crítica de narrativa. Brasília: Editora UNB, 2013.
SALTER, Anastacia; BLODGETT, Bridget. Toxic Geek Masculinity: Media, sexism, trolling and identity policy. Gewerbestrasse: Palgrave Mcmillan, 2017.
WAY; Niobe. et al. It might be nice to be a girl… Then You Wouldn’t Have to Be Emotionless”: Boys’ Resistance to Norms of Masculinity. In: Psychology of men and masculinity. V.15, n.3, p. 241-252, 2014.
WELLS, Paul. Desenho para animação. Porto Alegre: Bookman, 2012.