VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES: O ENGENDRAMENTO DOS DISPOSITIVOS JURÍDICO E PATRIARCADO

Artigo principal Conteúdo

Eliada Mayara Cardoso da Silva Alves
Dulce Mari da Silva Voss

Resumo

Esse texto tem como foco de análise a violência contra mulheres como prática recorrente nas sociedades contemporâneas. Entende-se que a violência contra as mulheres acontece no engendramento de macropolíticas do Estado Liberal, cujo aparato jurídico opera na regulação da vida da população, ao legislar e coibir as agressões e feminicídios, associado à cultura patriarcal que, através das instituições modernas, como a família tradicional, um dos pilares do neoconservadorismo, agem para ofuscar os direitos conquistados pelos movimentos sociais e para reativar a moral burguesa e cristã assentadas nas desigualdades de gênero. Consideramos que a descolonização dos corpos e existências das mulheres prescinde da multiplicação e intensificação de forças que desnaturalizem a ordem social, cultural e jurídica que conformam as relações e modos de vida na atual conjuntura. Multiplicar e intensificar micropolíticas de luta e de criação de forças insubmissas à ordem macropolítica de sujeição e colonização dos corpos e existências de mulheres é o que nos move na análise aqui feita.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do Artigo

Como Citar
CARDOSO DA SILVA ALVES, E. M.; DA SILVA VOSS, D. M. VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES: . Missões: Revista de Ciências Humanas e Sociais, v. 6, n. 4, p. 111-126, 29 abr. 2021.
Seção
Artigos

Referências

ALMEIDA, Suely Souza de. Violência de gênero e políticas públicas. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2007.

BRASIL. Atlas da Violência. Disponível: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatorio_institucional/190605_atlas_da_violencia_2019.pdf. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Disponível: https://www12.senado.leg.br/institucional/omv/entenda-a-violencia/pdfs/rede-de-enfrentamento-a-violencia-contra-as-mulheres. Acesso em 10 nov. 2020.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. 2. ed. v 4. Rio de Janeiro: Editora 34, 2012.

FOUCAULT, Michel. Estratégia, Poder-Saber. Organização e seleção de textos de Manoel Barros da Motta. Tradução Vera Lucia Avellar Ribeiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. (Coleção Ditos & Escritos IV) Título original: Dits et écrits IV.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica: Curso dado no College de France (1978-1979). Tradução Eduardo Brandão. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Revista Pro-Posições, v. 19. n. 02, mai-ago, p. 17-23. 2008.

PRATTA, Elisângela Maria Machado, SANTOS, Manoel Antônio. Família e adolescência: a influência do Contexto Familiar no desenvolvimento psicológico de seus membros. Revista Psicologia estudos, v.12, n.2. P. 247-256. 2007.
ROLNIK, Suely. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. 2. ed. São Paulo: n-1 edições, 2018.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero patriarcado violência. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

SANTINI, Rose Marie; CAMELIER, Joana. Devir mulher, sexualidade e subjetividade: aproximações entre Deleuze & Guattari e Pierre Bourdieu sobre a construção social dos corpos. Revista Ártemis. v. XIX, jan-jul, p. 101-108. 2015.