Modelos de gestão do estado: um panorama do estado brasileiro do patrimonial ao digital

Artigo principal Conteúdo

Márcia Rejane Chitolina Perini
Augusto Junior Clemente
Ronaldo Bernardino Colvero

Resumo

Este estudo objetiva investigar os modelos de gestão estatal empregados na administração pública brasileira, analisando os modelos e práticas de administração pública, desde o patrimonial, o burocrático, passando pelo gerencial, gestão social, até recentemente o Estado digital, onde constatam-se as importantes contribuições do aparato tecnológico, bem como o conceito das cidades inteligentes, para a moderna gestão pública. O manuscrito, de caráter descritivo e estritamente bibliográfico, enfatiza a fundamentação nos conhecimentos teóricos. Desse modo, a pesquisa revela, em linhas gerais, que na análise evolutiva dos diferentes modelos adotados no Brasil, distintos conceitos, ferramentas e sistemas administrativos foram implementados, notoriamente cada uma das etapas evolutivas sofre influência das anteriores, deixando aprendizagens às futuras e buscando continuamente a atualização da administração pública brasileira, até a contemporaneidade. Infere-se, que o papel do gestor em acompanhar os processos de mudança é fundamental para o sucesso na efetivação do modelo adotado, contudo a participação social configura-se como um importante auxiliar ao processo de gestão pública, observando-se no apoio da tecnologia o fortalecimento da interação entre a gestão pública e sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do Artigo

Como Citar
CHITOLINA PERINI, M. R.; CLEMENTE, A. J.; COLVERO, R. B. Modelos de gestão do estado: um panorama do estado brasileiro do patrimonial ao digital. Missões: Revista de Ciências Humanas e Sociais, v. 7, n. 1, 22 jul. 2021.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Augusto Junior Clemente, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Doutor em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professor do Curso de Administração Pública na Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Professor do Mestrado Profissional em Políticas Públicas da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA).

Ronaldo Bernardino Colvero, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Doutor em História das Sociedades Ibéricas e Americanas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Mestre em História pela Universidade de Passo Fundo. Professor Adjunto da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), Campus de São Borja.

Referências

ABRUCIO, F. L; LOUREIRO, M. R. Burocracia e Ordem democrática: desafios contemporâneos e experiência brasileira. In: PIRES R.; LOTTA G.; OLIVEIRA V. E. de. (orgs.), Burocracia e Políticas Públicas no Brasil: interseções analíticas. Brasília: IPEA: ENAP, 2018. p. 23-56.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Disponível em:. Acesso em: 25 jun. 2019.

BRASIL. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília: Presidência da República, Câmara da Reforma do Estado, Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, 1995. Disponível em: . Acesso em: 05 jul.2019.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Do estado patrimonial ao gerencial. In: PINHEIRO, WILHEIM e SACHS (orgs.), Brasil: Um Século de Transformações. São Paulo: Cia. Das Letras, 2001: 222-259.

CAPELLA. A. C. N. O processo de agenda-setting na reforma da administração pública (1995-2002). 2006. 234 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2006.

CAVALCANTE, P.; LOTTA, G. S.; OLIVEIRA, V. E. de. Do insulamento burocrático à governança democrática: as transformações institucionais e a burocracia no Brasil. In: PIRES R.; LOTTA G.; OLIVEIRA V. E. de. (orgs.), Burocracia e Políticas Públicas no Brasil: interseções analíticas. Brasília: IPEA: ENAP, 2018. p. 59-79.

CHIAVENATO. I. Introdução a teoria e prática da administração. 9 ed. São Paulo: Manole, 2014.

CHRISPINO, A. Introdução ao estudo das políticas públicas: uma visão interdisciplinar e contextualizada. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2016.

CLEMENTE, A. J.; JULIANO, M. C. Do Estado moderno ao contemporâneo: reflexões teóricas sobre sua trajetória. Curitiba: Intersaberes, 2017.

DURKHEIM, E. Lições de Sociologia. São Paulo; Martins Fontes: 2002.

GOMES, D. M.; PALIOLOGO, N. A. Direito à cidade e políticas públicas para a smart city. Revista de Direito Urbanístico, Cidade e Alteridade. Brasília. v. 3, n. 1, p. 19-35, jan/jun 2017.

HAM, C. HILL, M. The policy process in the modern capitalist state. Londres: Harvester Wheatsheaf, 1993.

MALUF, S. Teoria Geral do Estado. 34 ed. São Paulo: Saraiva, 2018.

MARINI, C. Gestão Pública: o debate contemporâneo. Fundação Luís Eduardo Magalhães. Salvador: FLEM, 2003.

MONTAÑO, C. DURIGUETTO, M. L. Estado, classe e movimento social. São Paulo: Cortez, 2013.

NEVES, G. GUIMARÃES, A. JÚNIOR. A. As bases para um novo modelo de administração pública orientada para resultados: evolução dos paradigmas, novos princípios e dimensões operacionais de funcionamento. In: X Consad – Congresso de Gestão Pública. 2017, Brasília DF. Anais. Disponível em: Acesso em: 10 jul. 2019.

RAMOS, E. da R. Noções gerais sobre origem do estado e estado moderno. Revista Eletrônica de Estudos Jurídicos e da Sociedade – Unifeg. Guaxupé, v. 1, p. 1-9, 2012.

SACCOL, A. P. A concepção do Estado no pensamento de Durkheim: Lições de Sociologia. Revista Eletrônica dos Pós Graduandos em Sociologia Política da UFSC, v. 9 – n. 1 – janeiro-julho/2012.

SECCHI, L. Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, 43(2):347-69, mar./abr. 2009.

SILVA, S. P. da. Estado, democracia e internet : requisitos democráticos e dimensões analíticas para a interface digital do Estado. 2009. 424 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura Contemporâneas) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

SOUZA, C. Estado da arte da pesquisa em políticas públicas. Políticas públicas no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, p. 65-86, 2007.