A identidade do professor universitário de história e os nativos digitais uma nova cultura em sala de aula

Artigo principal Conteúdo

Alex Serrano de Almeida
Renata Braz Gonçalves

Resumo

O presente artigo tem por objetivo discutir a identidade dos docentes universitários da área de História frente ao contexto contemporâneo de discentes nativos digitais. Trata-se de pesquisa bibliográfica, exploratória e descritiva, com abordagem qualitativa. Apresenta os principais desafios enfrentados pelos professores no século XXI no que se refere à interação com estudantes nativos digitais e o uso de tecnologias. Como resultados, aponta possibilidades de desenvolvimento de novas competências para o processo de ensino-aprendizagem, como, por exemplo: o uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação, a gamificação e o B-Learning. Conclui que é imprescindível que os professores da educação superior de História atentem para a necessidade de atualização constante não só como fazem em relação aos conteúdos da sua área, mas também, em relação aos métodos de ensino e ao uso dessas ferramentas de interação a fim de evitar defasagens nos processos de interação com seus educandos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do Artigo

Como Citar
SERRANO DE ALMEIDA, A.; BRAZ GONÇALVES, R. A identidade do professor universitário de história e os nativos digitais. Missões: Revista de Ciências Humanas e Sociais, v. 6, n. 2, 30 set. 2020.
Seção
Dossiê: Memória, Narrativas e Formação Docente
Biografia do Autor

Alex Serrano de Almeida

Mestre em História pelo Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Bibliotecário-Documentalista da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Renata Braz Gonçalves, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Pós-doutorado na Facultad de Ciencias de la Documentación de la Universidad Complutense de Madrid. Docente do curso de Biblioteconomia e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande (FURG).

Referências

ALMEIDA, Fábio Chang de. O historiador e as fontes digitais: uma visão acerca da internet como fonte primária para pesquisas históricas. Aedos, Porto Alegre, v. 3, n. 8, jan./jun., 2011. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/aedos/article/view/16776. Acesso em: 30 maio 2020.

APPOLINÁRIO, Fabio. Metodologia da ciência: filosofia e prática da pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006.

CANAN, Silvia Regina; SANTOS, Camila de Fátima Soares dos. Educação superior em tempos de crise: há espaço nas políticas de educação para a discussão do professor universitário? EccoS – Rev. Cient., São Paulo, n. 48, jan./mar. 2019. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/index.php?journal=eccos&page=article&op=view&path%5B%5D=8201. Acesso em: 16 maio 2020.

CAROLEI, Paula. Gameout: O uso de “Gamification” para favorecer a imersão em diversos espaços pedagógicos no Ensino Superior. In: CONGRESSO INTERNACIONAL TIC E EDUCAÇÃO, 2., 2012, Lisboa, Portugal. Anais [...]. Lisboa: Universidade de Lisboa, 2012. Disponível em: http://ticeduca.ie.ul.pt/atas/pdf/257.pdf. Acesso em: 02 jun. 2020.

COELHO, Patrícia Margarida Farias. Os nativos digitais e as novas competências tecnológicas. Texto livre: linguagem e tecnologia, Belo Horizonte, v. 5, n. 2, 2012. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/2049. Acesso em: 16 maio 2020.

COSTA, Sandra Regina Santana; DUQUEVIZ, Barbara Cristina; PEDROZA, Regina Lúcia Sucupira. Tecnologias Digitais como instrumentos mediadores da aprendizagem dos nativos digitais. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 19, n. 3, set./dez. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pee/v19n3/2175-3539-pee-19-03-00603.pdf. Acesso em: 29 maio 2020.

FRAGELLI, Thaís Branquinho Oliveira. Gamificação como um processo de mudança no estilo de ensino aprendizagem no ensino superior: um relato de experiência. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, v. 4, n. 1, jan./abr., 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8650843/16979. Acesso em: 02 jun. 2020.

FRANK, Simone Raquel. Professores imigrantes digitais e alunos nativos digitais: conflitos, desafios e perspectivas. 2010. 21 f. Trabalho de Conclusão de Especialização (Especialização em tecnologias da informação e da comunicação aplicadas à educação) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, 2010. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/1848/Frank_Simone_Raquel.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 22 maio 2020.

GARCIA, Marta Ferandes et al. Novas competências docentes frente às tecnologias digitais interativas. Teoria e Prática da Educação, v. 14, n. 1, 2011. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/TeorPratEduc/article/view/16108. Acesso em: 21 mar. 2020.

GLOVER, Ian. Play as you learn: gamification as a technique for motivating learners. In: PROCEEDINGS OF WORLD CONFERENCE ON EDUCATIONAL MULTIMEDIA, HYPERMEDIA AND TELECOMMUNICATIONS, 2013. Chesapeake. Anais [...]. Chesapeake: AACE, 2013. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/266853048_Play_As_You_Learn_Gamification_as_a_Technique_for_Motivating_Learners. Acesso em: 02 jun. 2020.

GOMES, Cláudia Cristina da Silva. Gamificação no ensino superior online. 2017. 484 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Aberta, Portugal, 2017. Disponível em: https://repositorioaberto.uab.pt/handle/10400.2/7393. Acesso em: 02 jun. 2020.

GUSMÃO, Emery Marques. Memórias de quem ensina História: cultura e identidade docente. São Paulo: Editora UNESP, 2004. Disponível em: https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=Xx8NAwAAQBAJ&oi=fnd&pg=PA7&dq=Identidade+docente&ots=n7S75pfMd7&sig=tSjmEqfdNrSkUsx49cSOAV2GlOw#v=onepage&q&f=true. Acesso em: 16 maio 2020.

ISAIA, Silvia Maria de Aguiar. Professor universitário no contexto de suas trajetórias como pessoa e profissional. In: MOROSINI, Marília Costa (Org.). Professor do ensino superior: identidade, docência e formação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 2000.

LIRA, Bruno Carneiro. Práticas pedagógicas para o século XXI: a sociointeração digital e o humanismo ético. Petrópolis, RJ: Vozes, 2019. [edição digital]. Disponível em: https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=fumYDwAAQBAJ&oi=fnd&pg=PT2&dq=novas+pr%C3%A1ticas+pedag%C3%B3gicas+no+ensino+superior&ots=hQO5Cl_J9p&sig=74lUcczRz6yIJqftrpkZWlcDJEs#v=onepage&q&f=true. Acesso em: 29 maio 2020.

MARCELO, Carlos. A identidade docente: constantes e desafios. Revista brasileira de pesquisa sobre formação docente, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, ago./dez., 2009. Disponível em: https://idus.us.es/bitstream/handle/11441/29196/a_ident_docent_constant_desaf.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 16 maio 2020.

PRENSKY, Marc. Digital Natives, digital immigrants. On the Horizon, v. 9, n. 5, 2001.

PRETTO, Nelson de Luca; RICCIO, Nicia Cristina Rocha. A formação continuada de professores universitários. Educar, Curitiba, n. 37, maio/ago., 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/er/n37/a10n37.pdf. Acesso em: 04 jun. 2020.

SARAMAGO, José. O conto da ilha desconhecida. Rio de Janeiro: Companhia das letras, 1998.

SCHNEIDER, Elton Ivan et al. Blended learning: o caminho natural para as instituições de ensino superior. São Paulo: ABED, 2014. Disponível em: http://www.abed.org.br/hotsite/20-ciaed/pt/anais/pdf/105.pdf. Acesso em: 02 jun. 2020.

SEABORN, Katie; FELS, Deborah. Gamification in theory and action: a survey. International Journal of Human-Computer Studies, v. 74, 2015. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1071581914001256?via%3Dihub. Acesso em: 02 jun. 2020.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23 ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007.

SOSA, Derocina; TAVARES, Luana Ciciliano. Ensino de história e novas tecnologias. Revista Latino-Americana de História, Porto Alegre, v. 2, n. 6, ago., 2013. Disponível em: http://projeto.unisinos.br/rla/index.php/rla/article/view/237/190. Acesso em: 20 maio 2020.

SPINARDI, Janine Donato; BOTH, Ivo José. Blended learning: o ensino híbrido e a avaliação da aprendizagem no ensino superior. Boletim técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 44, n. 1, jan./abr., 2018. Disponível em: https://www.bts.senac.br/bts/article/view/648. Acesso em: 02 jun. 2020.

TAMANINI, Paulo Augusto; SOUZA, Maria do Socorro. As tecnologias digitais no ensino de história no Brasil: um mapeamento das pesquisas acadêmicas. Redoc – Revista Docência e Cibercultura. Rio de Janeiro v. 2, n. 3, 2018. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/re-doc/article/view/36814/0. Acesso em: 15 maio 2019.

WAJNSZTEJN, Marina; ANDRÉ, Claudio Fernando; AZEVEDO, Adriana Barroso de. Blended learning como estratégia de engajamento no ensino superior: relato de uma experiência de aprendizagem conectada, colaborativa e social. Revista EDaPECI, v. 20, n. 1, 2020. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/edapeci/article/view/11892. Acesso em: 29 maio 2020.