O FILME “QUE HORAS ELA VOLTA?” : UMA ANÁLISE CRÍTICA DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA DE MULHERES SOCIALMENTE VULNERÁVEIS

Artigo principal Conteúdo

DENNYS RAMON DE MELO FERNANDES ALMEIDA
Gabriel Coutinho Gonçalves
Juliana Campos Pinheiro
Gabriel Gomes da Silva
Maria Helena de Paula Frota

Resumo

O filme “Que horas ela volta?” mais que uma obra cinematográfica, retrata, de forma fidedigna, a realidade de mulheres no mercado de trabalho. Mas não se trata de qualquer tipo, ele revela a dura vida que a mulher parda, pobre e periférica sofre para sobreviver. Ao mesmo tempo, nos mostra, com muita sutileza, como as relações sociais e de trabalho conseguem condicionar esse grupo ao conformismo e o não questionamento dos pilares socioeconômicos que mantém o poder sobre os liderados. Esse trabalho tem por objetivo, portanto, de discorrer sobre a vida de mulheres socialmente vulneráveis, enquanto política pública necessária de se problematizar e quanto as relações de poder incidem sobre a organização do trabalho na perspectiva de gênero. A partir dessa indagação, que nos propomos a levantar, serão formuladas questões neste texto. A perspectiva é contribuir para a ampliação do debate real sobre gênero e escolaridade no conteúdo das políticas públicas já que, na análise do filme, muitos questionamentos críticos podem ser feitos ao longo do processo de inserção da mulher de baixa renda e escolaridade na sociedade e propor as bandeiras de luta para se operacionalizam os projetos de expansão dessas mulheres na sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do Artigo

Como Citar
ALMEIDA, D. R. D. M. F.; COUTINHO GONÇALVES, G.; CAMPOS PINHEIRO, J.; GOMES DA SILVA, G.; DE PAULA FROTA, M. H. O FILME “QUE HORAS ELA VOLTA?” : UMA ANÁLISE CRÍTICA DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA DE MULHERES SOCIALMENTE VULNERÁVEIS . Missões: Revista de Ciências Humanas e Sociais, v. 6, n. 2, 30 set. 2020.
Seção
Artigos

Referências

BARBOSA, R. N. C. A economia solidária como política pública: uma tendência de geração de renda e ressignificação do trabalho no Brasil. São Paulo: Cortez, 2007.
CARRASCO, C. A sustentabilidade da vida humana: um assunto de mulheres. In: FARIA, Naler; NOBRE, Miriam. Produção do viver. Cadernos SOF, São Paulo, p. 11-49, 2003.
CASTRO, M. G. "Feminização da pobreza" em cenário neoliberal. In: I Conferência Estadual da Mulher. Rio Grande do Sul: Coordenadoria Estadual da Mulher, 1999.
DESOUZA, Eros; BALDWIN, John R.; ROSA, Francisco Heitor da. A construção social dos papéis sexuais femininos. Psicol. Reflex. Crit. Porto Alegre, v. 13,n. 3,2000. Disponível em . Acesso em 25 jan. 2020.
FARAH, M. F. S. Gênero e Políticas Públicas. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 360, jan.-abr. 2004.
GODINHO, T. Construir a igualdade combatendo a discriminação. In: GODINHO, T.; SILVEIRA, M. L. (Orgs.). Políticas públicas e igualdade de gênero. São Paulo: coordenadoria especial da mulher, 2004. 188p. (Cadernos da Coordenadoria Especial da Mulher, 8).
HIRATA, H.; KERGOAT, D. A classe operária tem dois sexos. Revista Estudos Feministas. São Paulo, ano 2, n. 1, p. 93-99, 1994.
KERGOAT, D. Relações sociais de sexo e divisão sexual do trabalho. In: LOPES, M. J. M.; MEYER, D. E. E.; WALDOW, V. R. (Orgs.). Gênero e saúde. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: EMÍLIO, M.; GODINHO, T.; NOBRE, M.; TEIXEIRA, M. (Orgs.). Trabalho e cidadania ativa para as mulheres: desafios para as políticas públicas. São Paulo: Coordenadoria Especial da Mulher, 2003. 152p. (Col. Caderno da Coordenadoria Especial da Mulher, n. 3).
KON, A. Considerações teóricas sobre a divisão sexual do trabalho na família: Repercussões sobre o mercado de trabalho. In: SEMINÁRIO AS FAMÍLIAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS NO BRASIL. Belo Horizonte: Abep, nov. 2005.
LEPORACE, M.; FONTOURA, N. Igualdade de gênero no trabalho e a I Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres. Mercado de Trabalho, Ipea, 25 nov. 2004.
LOBO, E. S. A classe operária tem dois sexos. São Paulo: Brasiliense, 1991.
MELO, H. P. Gênero e Pobreza no Brasil. Relatório Final do Projeto Governabilidade Democratica de género en America Latina y El Caribe. Brasília: Cepal, 2005.
NOVELLINO. M. S. F. Os estudos sobre a feminização da pobreza e políticas públicas para mulheres. In: XIV ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS. Minas Gerais: Abep, 2004.
SILVEIRA, M. L. Políticas públicas de gênero: impasses e desafios para fortalecer a agenda política na perspectiva da igualdade. In: GODINHO, T.; SILVEIRA, M. L. (Orgs.). Políticas públicas e igualdade de gênero. São Paulo: Coordenadoria Especial da Mulher, 2004. 188p. (Col. Cadernos da Coordenadoria Especial da Mulher, n. 8.
YANNOULAS, S. C. Dossiê: políticas públicas e relações de gênero no mercado de trabalho. Brasília: CFEMEA, FIG/Cida, 2002.