DEMOCRATIZAÇÃO DE FONTES DE PESQUISA O PAPEL ESSENCIAL DOS BANCOS DE DADOS DIGITAIS

Artigo principal Conteúdo

Amanda Basilio Santos

Resumo

Resumo: Este artigo parte da experiência de pesquisa desenvolvida desde a graduação até o doutorado em História, baseado na utilização de fontes primárias em plataformas digitais. Embora na pesquisa sejam trabalhadas fontes de cultura material e visual, o acesso às mesmas se dá por meio de bancos de dados digitais, desta forma possibilitando a ampliação da pesquisa em História medieval em programas de pesquisa brasileiros, que não possuem necessariamente os recursos de acesso direto às fontes. Este cenário de digitalização e organização online de fontes implica em uma ampla democratização e acesso para pesquisa, apreciação e conhecimento do passado histórico. Considerando a amplitude de possibilidades de discussão e consequências para os mais variados campos do conhecimento, nesta apresentação iremos focar no projeto de pesquisa que culminou no site do CRSBI (The Corpus of Romanesque Sculpture in Britain and Ireland), um imenso corpus documental, fruto de um projeto ambicioso, iniciado por George Zarnecki, ao fim da década de 1980. Baseado neste banco de dados, pretendemos explorar os caminhos percorridos para a execução desta iniciativa, ao mesmo tempo discutindo possibilidades e consequências para os mais variados campos científicos e novas formas de contato entre os pesquisadores e suas fontes. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do Artigo

Como Citar
BASILIO SANTOS, A. DEMOCRATIZAÇÃO DE FONTES DE PESQUISA. Missões: Revista de Ciências Humanas e Sociais, v. 6, n. 1, 3 jun. 2020.
Seção
FONTES, MÉTODOS E ABORDAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS: PARADIGMAS E PERSPECTIVAS

Referências

AGUIAR, L. C. D. Uso de bases de dados pela Historiografia: práticas, metodologias e seus impactos na preservação, recuperação, disseminação e acessibilidade das informações históricas. Anais do XX Encontro Regional de História: História e Liberdade, Franca, 06 a 10 setembro 2010. 1-11.
ALMEIDA, F. C. D. O historiador e as fontes digitais: uma visão acerca da internet como fonte primária para pesquisas históricas. AEDOS, v. 3, n. 8, Janeiro-Junho 2011.
AMARAL, R. O Medievalismo no Brasil. História Unisinos, 3, n. 15, Setembro/Dezembro 2011. 446-452.
BARROS, J. D. O Campo da História. Petrópolis: Vozes, 2008.
BLOCH, M. Apologia da História ou o Ofício do Historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
BURKE, P. A Revolução Francesa da historiografia: a Escola dos Annales 1929-1989. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 1991.
BURKE, P. A Escrita da História - Novas Perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992.
CONTI, F. Como reconhecer a Arte Românica. São Paulo: Martins Fontes, 1984.
FALCON, F. História e Poder. In: CARDOSO, C. F.; VAINFAS, R. Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997. p. 97-138.
JÚNIOR, H. F. Os estudos medievalísticos no Brasil. Proj. História, São Paulo, n. 7, fev. 1987.
LÉVY, P. A Revolução contemporêna em matéria de comunicação. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 9, p. 37-49, Dezembro 1998.
LUCCHEST, A. História e Historiografia Digital: diálogos possíveis em uma nova esfera pública. XXVII Simpósio Nacional de História: Conhecimento histórico e diálogo social. Natal: [s.n.]. 2013. p. 1-17.
MIATELLO, A. L. P.; ALVES, A. A.; RIBEIRO, F. A. Perspectivas de Estudo em História Medieval no Brasil: Anais do Workshop realizado nos dias 29 e 30 de setembro de 2011. 1ª edição. ed. Belo Horizonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 2012.
NETO, O. C. Breves reflexões sobre o uso da Internet em pesquisas historiográficas. Revista Eletrônica Boletim do TEMPO, v. 20, n. Ano 4, 2009.
RANGEL, L. D. A. S. A Historiografia Contemporânea: do papel à era digital. I Seminário de História: Caminhos da Historiografia Brasileira Contemporânea. Ouro Preto: UFOP. 2006. p. 1-11.
RUST, L. D.; BASTOS, M. J. D. M. Translatio Studii: A História Medieval no Brasil. Signum, São Paulo, v. 10, p. 163-188, 2009.
SILVA, A. C. L. F. D. Os Estudos Medievais no Brasil e o Diálogo Interdisciplinar. Medievalis, V. 1, n. 2, 2013. 1-15.
SILVA, E. A. Bancos de Dados e Pesquisa Qualitativa em História: Reflexões acerca de uma experiência. Revista de História Regional, v. 3, n. 2, p. 167-176, 1998.
SILVA, L. R. D.; SILVA, A. C. L. F. Os Estudos Medievais no Brasil e a Internet: uma análise do uso dos recursos virtuais na produção medievalista (1995 a 2006). História, imagem e narrativas, Ano 2, n. 4, 2007. 134-147.
SILVEIRA, P. T. As fontes digitais no universo das imagens técnicas: crítica documental, novas mídias e o estatuto das fontes históricas digitais. ANTÍTESES, v. 9, n. 17, p. 270-296, jan./jun. 2016