ARTESANATO, FRONTEIRA E GUASQUERIA

Artigo principal Conteúdo

juliana machado

Resumo

A guasqueria é o artesanato que trabalha o couro cru animal, utilizando principalmente o couro bovino para criar aparatos de montaria e ferramentas para o trabalho no campo, tendo na figura do peão o idealizador desse ofício nas estâncias. Esse saber fazer é aprendido por meio da transmissão de pai para filho inicialmente no espaço rural. Na contemporaneidade essa pratica ocorre em zona urbana, em que o guasqueiro utiliza seu conhecimento para criar obras para a comercialização e para isso, acaba sendo influenciado pelo mercado na adoção de novas materiais primas e na utilização de ferramentas industrializadas. Nesse sentido esse artigo é um recorte da tese que se encontra em andamento pelo Programa de Memória Social e Patrimônio Cultural (PPGMP-UFPEL) e nele será traçado uma breve discussão entorno da ligação existente entre fronteira, artesanato e produção de guasqueria, com foco na região do pampa do Rio Grande do Sul (Jaguarão) e do Uruguai (Rio Branco).


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do Artigo

Como Citar
MACHADO, JULIANA. ARTESANATO, FRONTEIRA E GUASQUERIA. Missões: Revista de Ciências Humanas e Sociais, v. 6, n. 1, p. 1-15, 3 jun. 2020.
Seção
FONTES, MÉTODOS E ABORDAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS: PARADIGMAS E PERSPECTIVAS

Referências

BARDI, L. B. Arte industrial. In: RUBINO, Silvana; GRINOVER, Mariana (Org.). Linha por escrito. Textos escolhidos de Lina Bo Bardi. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

BARROSO, Eduardo Neto. O que é artesanato. (Apostila). Segundo módulo, 2001.Rio de Janeiro: Editora Record.

BATISTA, A. Processos de trabalho da manufatura à maquinaria moderna. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 118, p. 209-238, abr./jun. 2014.

BORGES FILHO, O. A questão da fronteira na construção do espaço da obra literária. Revista do Centro Ítalo-Luso-Brasileiro de Estudos Linguísticos e Culturais. Triceversa. Assis, v.2, n.1, maio-out.2008.

BORGES, A. Design + artesanato: o caminho brasileiro. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2011.
__________. Designer não é personal trainer. São Paulo: Edições Rosari, 2003.

CANCLINI, N.G. Culturas Híbridas: estratégias para entrar y salir de la modernidade, México: Grijalbo, 1989.

CANDAU, J. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2011.

GADAMER, H-G. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. v. I. 4 ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

GARCÍA, R. De la yerra a la Vitrina: Transformaciones contemporáneas de la guasquería. Montevideo: Trama Revista de Cultura y Patrimonio. ano 1, nº 1, setembro 2009.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LOBACH, B. Design industrial. Bases para a configuração dos produtos industriais. São Paulo: Edgard Blücher, 2001.

KAUTSKY, Karl. A questão agrária. Porto: Portucalense, 1972.

MACCLANCY, J. Imaginando fronteras. Revista Fronteras, nº. 12. Publicacions Universitat de Barcelona, 1994.

MAZZEI, E. Fronteras que nos unen y límites que nos separan. Udelar, Melo, 2013.

NUNES, Z. C; NUNES, R.C. Dicionário de regionalismos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Martins Livreiro, 1982.

PAZ, O. O uso e a Contemplação. In: Convergências: ensaios sobre arte e literatura. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1991.

PESAVENTO, S. J. Além das fronteiras, in: MARTINS, Maria H. Fronteiras Culturais – Brasil, Uruguai, Argentina. Porto Alegre: Ateliê Liberal/PMPA/Centro de Estudos de Literatura e Psicanalise, 2002.

RUSSOMANO, M. V. Princípios gerais de Direito Sindical. Rio de Janeiro: Forense, 2000.

SENNETT, Richard. O artífice. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2009.