AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ANTIOXIDANTE DO MAXIXE (CUCUMIS ANGURIA L.) IN VITRO

  • Dariéle dos Santos
  • Fabiana Cristina Missau
  • Tiago André Kaminski
Rótulo Cucurbitaceae, Método, DPPH, Radicais, livres

Resumo

O maxixe (Cucumis anguria L.) é regionalmente conhecido e apreciado nas regiões Norte e Nordeste do Brasil. É consumido associando a pratos típicos da culinária e originando o prato maxixada, também pode ocasionalmente ser consumido in natura em saladas. Pertencente à família das Cucurbitáceas é uma hortaliça de fácil reprodução entre outros cultivos como feijão, milho e em hortas domésticas, apresentando espiculosidade com fruto de peso médio de 30 g. O maxixe é fonte de sais minerais, principalmente zinco, possui poucas calorias e apresenta propriedades medicinais, como ação emoliente, anti-helmíntica, anti-hemorroidal, antiemética e laxativa. Suas folhas e sementes são constituídas de esteroides e compostos fenólicos que contém um elevado nível de atividade antioxidante. Os antioxidantes são nossa defesa essencial contra radicais livres causadores de danos oxidativos, e são fundamentais para a manutenção da saúde e bem-estar. O método de sequestro de radicais livres DPPH (2,2-difenil-1-picrilhidrazila) é estável de coloração púrpura, com absorção em 515 nm, toda via, quando reduzido tem-se uma coloração amarela. É um método antigo e muito usado na literatura para a quantificação do potencial antioxidante de diversos compostos orgânicos, como frutas e vegetais. Os resultados obtidos no presente estudo, pelo cálculo do EC50 ,onde ele expressa a quantidade necessária de extrato para decrescer a concentração inicial de DPPH em 50%, demostraram que o potencial antioxidante do maxixe aumenta com o aumento da concentração de seu extrato bruto no volume de 50 µL apresentou-se em 4,82 g fruta/ g DPPH, com % de inibição mais significativa no volume de 50 µL resultando em 56,51% ± 1,54, dados dentro dos padrões já existentes na literatura em diversas concentrações e volumes. Ainda pouco conhecido na região sul do Brasil o maxixe possui consideráveis quantidades de antioxidantes e devido à escassez de estudos científicos sobre as propriedades do fruto maxixe em sua totalidade (sementes e polpa), teve-se como objetivo do estudo do potencial antioxidante do maxixe através do método DPPH.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-02-28
Como Citar
DOS SANTOS, D.; CRISTINA MISSAU, F.; ANDRÉ KAMINSKI, T. AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ANTIOXIDANTE DO MAXIXE (CUCUMIS ANGURIA L.) IN VITRO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 8, n. 2, 28 fev. 2020.