A CONSTRUÇÃO DE UMA PROPOSTA AVALIATIVA INOVADORA: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA DA IMPLEMENTAÇÃO DE RUBRICAS

  • Guilherme Almeida
  • Valesca Brasil Irala
  • Gabriela Bohlman Duarte
  • Paulo Fernando Duarte Marques Filho
Rótulo Avaliação, Rubricas, Ensino, Superior

Resumo

Um dos indicadores apontados para aferir a qualidade do ensino superior na perspectiva dos processos têm sido a avaliação discente (MOROSINI et al., 2016), o que têm gerado no interior das instituições a necessidade de pautar alternativas aos modelos mais tradicionais de avaliar nos espaços acadêmicos. Nesse contexto, surgem as rubricas (BENDER, 2014; BROOKHART, 2013) como uma perspectiva para qualificar o processo de avaliação. Este trabalho visa contrastar dados de avaliação obtidos por meio de uma rubrica padrão utilizada nos componentes curriculares de Letramentos em Inglês e Letramentos em Espanhol, do curso de Letras Línguas Adicionais (Inglês e Espanhol), no campus Bagé da UNIPAMPA, tanto a partir da heteroavaliação, ou seja, a avaliação realizada pelas docentes dos componentes envolvidos (com 75% do peso da nota final), quanto da autoavaliação, realizada pelos próprios discentes, com 25% do peso final na avaliação somativa semestral (ORÉ, 2018). Considera-se essa uma proposta avaliativa inovadora no contexto analisado (CARBONELL, 2002), pois, tradicionalmente, apenas os docentes são responsáveis pela atribuição de notas. A rubrica em questão contém 10 dimensões avaliativas, com seis níveis de gradação cada uma. Para fins desta pesquisa, foram classificados critérios específicos (focados no conhecimento do aluno em relação às línguas-alvo) e critérios periféricos (focados em exigências ou habilidades mais amplas, tais como cumprimento de prazos, participação, organização do material, etc.). Esta pesquisa, de natureza exploratória e descritiva (RAUEN, 2006), visa contribuir com a importância do discente se autoavaliar e descrever o contraste existente entre as notas atribuídas pelos discentes e pelas docentes. Com o uso de software estatístico, foram separadas as notas atribuídas pelos docentes e pelos discentes, sendo possível aplicar a análise de variância (Anova), a qual utiliza as variâncias amostrais para verificar se há ou não igualdade entre as médias populacionais. Através da análise dos resultados obtidos, foi possível observar que, quando analisados todos os critérios (específicos e periféricos), houve diferença significativa (p<0,05) entre a autoavaliação e a heteroavaliação. Porém, quando analisados apenas critérios específicos, observou que não houve diferença significativa (p>0,05) entre a autoavaliação e a heteroavaliação. Como conclusão, percebe-se que, quando observados os critérios específicos relacionados ao objeto de conhecimento, houve um alto grau de coincidência entre os valores atribuídos por ambos atores do processo de ensino-aprendizagem. Pode-se recomendar que aspectos mais amplos possam fazer parte da avaliação formativa, relegando aos aspectos específicos a ênfase na promoção da avaliação somativa, podendo, inclusive, ampliar-se o peso da autoavaliação para uma porcentagem maior do que 25% em experiências futuras, a fim de promover, gradativamente, maior equitatividade entre os atores do processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-02-14
Como Citar
ALMEIDA, G.; BRASIL IRALA, V.; BOHLMAN DUARTE, G.; FERNANDO DUARTE MARQUES FILHO, P. A CONSTRUÇÃO DE UMA PROPOSTA AVALIATIVA INOVADORA: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA DA IMPLEMENTAÇÃO DE RUBRICAS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 4, 14 fev. 2020.