EDUCAÇÃO EM SAÚDE: A INFORMAÇÃO COMO ELO ENTRE O USUÁRIO E O SUS

  • Raphaelly Felix
  • Susane Graup
Rótulo Educação, Saúde, Sistema, Único, Sala, espera

Resumo

A Política Nacional de Atenção Básica pressupõe o desenvolvimento e a consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS), com prioridade na descentralização e na capilaridade, ocorrendo no local mais próximo da vida das pessoas. Ela deve ser a principal porta de entrada e via de comunicação com toda a Rede de Atenção à Saúde. Neste contexto, a atenção básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrange a prevenção de doenças, a promoção e a proteção da saúde com o objetivo de desenvolver uma atenção integral que impacte na situação de saúde e autonomia das pessoas e nos determinantes de saúde das coletividades, tendo a informação como a principal ferramenta na obtenção de resultados. No entanto, preconizar essas diretrizes é um desafio, tendo em vista que a falta de acesso à informação sobre os serviços é resquício de uma cultura voltada para o tratamento que desconsidera a saúde como um conjunto de aspectos biopsicossociais associadas às condições de bem estar e qualidade de vida. Nesta perspectiva, é imprescindível que haja um espaço no qual estas informações sejam passadas aos usuários e a Educação em Saúde parece cumprir esse papel. O objetivo deste trabalho foi apresentar a experiência de atividades de Educação em Saúde na sala de espera das unidades de atendimento. As atividades foram desenvolvidas numa perspectiva interdisciplinar pela equipe de residentes em Saúde Coletiva (SC) da UNIPAMPA, a fim de suprir um tempo ocioso de espera para o atendimento. As ações aconteceram, na sala de espera, uma vez na semana em cada uma das três unidades de saúde, pertencentes ao território adstrito das Estratégias de Saúde da Família atendidas pelo Programa de Residência Multiprofissional em SC, com duração de aproximadamente 20 minutos, no período de maio à agosto de 2015. Foi realizado um diagnóstico preliminar sobre o conhecimento dos usuários acerca de hábitos saudáveis e a partir deste foram trabalhadas diferentes temáticas referentes a falta de conhecimento identificada pelos observadores. Como resultados, a partir da observação, foi possível identificar a falta de conhecimento sobre os cuidados com a saúde e sobre os direitos dos usuários do SUS, que permitiram a implementação de novas estratégias para possibilitar mudança no modo de agir da comunidade. Desta forma, as temáticas foram trabalhadas por meio de palestras, vídeos, cartazes e panfletos a fim de estimular um comportamento preventivo, vislumbrando a inversão da lógica prescritiva, focada no atendimento assistencial, predominante nos serviços de saúde. Estas ações visavam levar os sujeitos a refletirem sobre situações de risco e cuidados básicos com a saúde e garantirem o seu acesso aos serviços. Diante dos resultados percebemos que é possível reconfigurar o momento de ociosidade para um momento de prevenção e educação em saúde, fazendo com que as ações de saúde já iniciem no instante em que os usuários adentrem na sala de espera.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-02-12
Como Citar
FELIX, R.; GRAUP, S. EDUCAÇÃO EM SAÚDE: A INFORMAÇÃO COMO ELO ENTRE O USUÁRIO E O SUS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 7, n. 4, 12 fev. 2020.