PROMOÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA INTEGRAÇÃO ESCOLA E SAÚDE

  • Isadora Flores
  • Isadora Brum Flores
  • Fábio Vinícius Rocha
  • Bruna Huppes
  • Ingrid Ferreira
  • Paulo Emilio Botura Ferreira
  • Elizangela dos Anjos Silva
Rótulo Saúde, reprodutiva, Morfofisiologia, educação

Resumo

i) introdução: É evidente a necessidade de integração entre os cursos da área da saúde e a educação básica, principalmente, a fim de democratizar a educação a respeito do corpo humano (DORETO; VIEIRA, 2007). Neste contexto, o projeto Explorando o corpo humano: do homem à célula foi implantado em 2017 por docentes e discentes do curso de Medicina da Universidade Federal do Pampa (Campus Uruguaiana) com o propósito de disseminar e integrar o conhecimento na área da morfofisiologia e saúde nas escolas públicas e privadas do município de Uruguaiana RS. Sendo assim, o presente estudo teve como objetivo realizar uma oficina sobre o tema Saúde Reprodutiva entre escolares do Instituto Estadual de Educação Romanguera Correa do município de Uruguaiana-RS. (BRASIL, 2006). ii) material e métodos: Este trabalho faz uma abordagem quantitativa e qualitativa da atividade teórico-prática de uma oficina ofertada à 42 alunos do segundo ano do ensino médio. Tal oficina foi realizada em dois encontros de quatro horas cada. No primeiro encontro, foi aplicado um questionário pré-teste sobre conhecimentos gerais abordados na oficina. Em seguida, realizou-se uma aula expositiva sobre a morfofisiologia do sistema reprodutor masculino e feminino. No final, foram apresentadas aos adolescentes uma atividade prática que compreendia a apresentação de peças anatômicas e lâminas histológicas visualizadas ao microscópio óptico. No segundo encontro, iniciou-se uma discussão expositiva sobre os métodos contraceptivos e as principais infecções sexualmente transmissíveis (ISTs). (BRASIL, 2006). Em seguida, foram realizadas dinâmicas e atividades extras sobre o assunto trabalhado neste dia e, finalmente, realizou-se um pós-teste. Após correção dos questionários, os dados foram analisados estatisticamente através do programa SPSS Statistics 17.0 e o nível de significância adotado foi de 5%. iii) resultados e discussão: A oficina foi bem recebida pelos escolares, que a descreveram como uma forma interessante, dinâmica, e eficaz para a construção e fixação dos conhecimentos. Essas declarações foram confirmadas pela modificação das notas obtidas pelos estudantes no pré-teste e na reaplicação deste ao final da atividade. A média de acertos no pré-teste foi de 4,98 e no pós-teste 6,74, apresentando um valor p < 0,001, o que ratificou um aumento estatisticamente significativo no conhecimento dos escolares perante ao tipo de atividade proposto. (PEREIRA, 2009). iv) conclusão: A oficina agregou conhecimento aos adolescentes para o autoconhecimento e, principalmente, autocuidado e minimização de fatores de risco relacionados ao desconhecimento das afecções em questão. Além disso, as análises estatísticas mostraram que a oficina foi estatisticamente relevante para os adolescentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-12-04
Como Citar
FLORES, I.; BRUM FLORES, I.; VINÍCIUS ROCHA, F.; HUPPES, B.; FERREIRA, I.; EMILIO BOTURA FERREIRA, P.; DOS ANJOS SILVA, E. PROMOÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA INTEGRAÇÃO ESCOLA E SAÚDE. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 3, 4 dez. 2020.