A EXPERIÊNCIA DA ESTRUTURAÇÃO DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO PULMONAR PAUTADO NA CLÍNICA AMPLIADA

  • Larissa Silva Corrêa
  • Tamires Daros dos Santos
  • Iaçana Camara Martins
  • Viviane Bhorer Berni
  • Isabella Martins De Albuquerque
  • Adriane Schmidt Pasqualoto
Rótulo Reabilitação, pulmonar, Equipe, multiprofissional, Clínica, ampliada

Resumo

Introdução: A Reabilitação Pulmonar (RP) é um programa de cuidados nultidisciplinares com ações assistenciais planejadas com vistas a possibilitar ao pneumopata crônico a independência funcional e qualidade de vida. A RP é uma recomendação padrão dentre os tratamentos não farmacológicos reduzindo os sintomas de dispnéia, fadiga e aumento da capacidade funcional. A RP implantada no HUSM há mais de 20 anos, passou por novos arranjos e o desafio foi instituir a partir da humanização do cuidado, um PR no modelo da clínica ampliada, amparada pela equipe multidisciplinar e a elaboração do projeto terapêutico singular (PTS). Objetivo(s): Descrever o processo de implantação de um programa de extensão de reabilitação pulmonar em um hospital escola de nível terciário. Material e métodos: Caracteriza-se por um relato de experiência de uma ação de extensão, que integra processo de ensino-aprendizagem com os diferentes núcleos profissionais e estudantes do curso de graduação de fisioterapia, fonoaudiologia, especializandos do curso de Reabilitação físico-motora, mestrandos e doutorandos do PPGDCH e PPGRF da UFSM, docentes dos cursos de Fisioterapia e profissionais do HUSM/EBSERH. A abordagem é qualitativa e interpretativa que busca descrever as etapas da organização, implantação e o fluxo das ações desde 2016 a partir da observação sistemática e análise dos registros das ações. Resultados e discussão: O programa foi aprovado pela COMEX em março de 2016, integrando ensino e assistência, possuindo caráter multiprofissional. Desde 2017, conta com bolsistas FIEX e voluntários, alunos de graduação, pós-graduação que desenvolvem as ações de condicionamento físico, atividades de educação em saúde e as visitas domiciliares são realizadas pela equipe multiprofissional. Inicialmente, o usuário é avaliado por uma equipe mínima, constituída por assistente social, enfermeira, e fisioterapeuta. Com o estabelecimento do diagnóstico e das comorbidades é elaborado o PTS, inicia-se o programa a partir das demandas identificadas, a reabilitação tem frequência de duas vezes na semana, por no máximo 4 meses, conduzida pela fisioterapia. Estão envolvidos 6 núcleos profissionais (assistente social, enfermagem, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, psicólogo, médico) em 2019, 36 usuários participam das atividades. Conclusão A proposta do PRP no modelo de clínica ampliada tem sido desafiadora tanto para a equipe multiprofissional, como para discentes e usuários envolvidos. A rede de cuidados e a interação estabelecida nas ações do PR estão evidenciadas pela adesão do usuário ao programa, pelo melhor desempenho cardiopulmonar para realizar as atividades cotidianas, assim como pela participação efetiva da comunidade acadêmica. Acredita-se que o modo de cuidar tem proporcionado ao usuário a sua participação e autonomia para o enfrentamento das questões saúde, para os profissionais e estudantes envolvidos possibilita a interação, a troca de saberes e um aprendizado coletivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-12-04
Como Citar
SILVA CORRÊA, L.; DAROS DOS SANTOS, T.; CAMARA MARTINS, I.; BHORER BERNI, V.; MARTINS DE ALBUQUERQUE, I.; SCHMIDT PASQUALOTO, A. A EXPERIÊNCIA DA ESTRUTURAÇÃO DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO PULMONAR PAUTADO NA CLÍNICA AMPLIADA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 3, 4 dez. 2020.