SARCOPENIA EM PORTADORES DE DPOC

  • Daniele Lauck Pedroso
  • Claudia Denicol Winter
  • Cássia Cinara da Costa
  • Rafael Machado de Souza
Rótulo Doença, Pulmonar, Obstrutiva, Crônica, Intervenção, Nutricional, Sarcopenia, Reabilitação

Resumo

Introdução: A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é um problema de saúde global e representa a 3ª causa de morte no mundo. É caracterizada por obstrução persistente das vias aéreas e presença de enfisema e/ou bronquite crônica. O principal fator de risco é o fumo de tabaco, mas outros fatores também podem contribuir, como exposição ao combustível de biomassa, fatores genéticos e poluição. A sarcopenia está entre uma das comorbidades associadas a DPOC, sendo descrita como redução de força e de massa muscular. Os indivíduos com essa disfunção apresentam sintomas de dispneia mais graves, menor tolerância ao exercício, exacerbações frequentes e pior prognóstico, culminando na diminuição da qualidade de vida e aumento da mortalidade. A intervenção nutricional é fundamental para minimizar os efeitos sistêmicos e melhorar a composição corporal dos pacientes. Objetivo: Avaliar a sarcopenia em pacientes com DPOC e correlacionar com a gravidade da doença. Métodos: Foi realizado um estudo retrospectivo transversal com análise de banco de dados em pacientes portadores de DPOC, atendidos em um projeto de reabilitação pulmonar de uma universidade entre 2002 e 2019. Como instrumentos de pesquisa foi utilizado o cálculo estimado para Índice de Massa Muscular Apendicular (IMMA): Massa muscular(kg) = 0.244 x peso corporal + 7.80 x estatura - 0.098 x idade + 6.6 x sexo + etnia x 3.3. Para determinação de sarcopenia foi utilizado o cálculo: IMMA/ estatura2 (LEE et al, 2000). A função pulmonar foi determinada por teste de espirometria para as variáveis Capacidade Vital Forçada (CVF) e Volume Expiratório Forçado no primeiro segundo (VEF1). Para análise da correlação foi utilizado teste de Spearman observando a significância de P <0,05. Todos os procedimentos foram realizados no Software SPSS 26.0. Os valores de ponto de corte utilizado para a determinação da perda de IMMA foram IMMA de <7,76 kg/m² para homens e <5,62 kg/m² para mulheres. (BARBOSA-SILVA, BIELEMANN, GONZALEZ, MENEZES, 2015). Resultados e discussão: Participaram da pesquisa 482 pacientes sendo 269 (55,8%) homens e 213 (44,2%) mulheres, média de idade de 65,00 ± 9,56 anos, IMC de 25,81 ± 5,28Kg/m2, CVF de 2,38 ± 0,9L/s, CVF% de 68,96% ± 22,97, VEF1 de 1,25 ± 0,64L/s, VEF1% de 45,39 ±21,10, VEF1/CVF de 54,00 ± 18,88, IMMA de 23,83 ± 6,22, sarcopenia 8,77 ±1,78. Do total 41 (8,5%) foram classificados como portadores de sarcopenia. A IMMA apresentou moderada correlação com CVF (r=0,42 e o p<0,01) com o VEF1 (r=0,43 e o p<0,01). Conclusão: Reconhecer a prevalência da sarcopenia é um ato importante na busca de estratégias de prevenção e intervenção que possam tratar essa síndrome. Sendo assim, torna-se necessária a atuação do nutricionista, que com estratégias de ganho e preservação de massa muscular podem prestar auxílio aos portadores de DPOC.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-12-04
Como Citar
LAUCK PEDROSO, D.; DENICOL WINTER, C.; CINARA DA COSTA, C.; MACHADO DE SOUZA, R. SARCOPENIA EM PORTADORES DE DPOC. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 3, 4 dez. 2020.