CONSUMO, COMPORTAMENTO ALIMENTAR E PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE ITAQUI/RS

  • Larissa Ferreira
  • Maria Luiza de Oliveira Rosa
  • Millena Dorneles Pinheiro
  • Carolina de Andrade Ferreira
  • Larissa Londero
  • Lana Carneiro Almeida
Rótulo Alimentação, Escolares, Ultraprocessados

Resumo

Crianças em idade escolar passam por diversas transformações que influenciam diretamente o estado nutricional, como ritmo acelerado de crescimento e modificações na rotina, que levam à formação dos hábitos alimentares. O elevado de consumo de ultraprocessados, comum atualmente, contribui para o aumento da prevalência de obesidade nessa faixa etária. Este trabalho objetivou conhecer o perfil antropométrico, o consumo e o comportamento alimentar de crianças de Itaqui/RS. Foi realizado um estudo de intervenção experimental do tipo ensaio de comunidade, de maio a junho de 2019, baseado no Guia Metodológico de Comunicação Social em Nutrição, composto por 4 fases; este trabalho apresenta a primeira fase (diagnóstico). O público-alvo se constituiu de 24 crianças de 8 a 9 anos, maioria (54%) meninas, de uma escola estadual do munícipio. Participaram deste estudo apenas as crianças cujos responsáveis deram seu consentimento. Realizou-se uma entrevista com as crianças, usando-se o formulário do SISVAN, que investiga a realização de refeições, comportamento alimentar (comer vendo TV/computador/celular/tablet) e consumo, no dia anterior, de marcadores de consumo saudável e não saudável. Foram obtidas medidas de peso e altura para classificação da amostra em baixo peso, eutrofia, sobrepeso e obesidade usando as curvas de IMC-para-idade e Estatura-para-idade. Todas as 24 crianças convidadas participaram do estudo. Nenhuma delas apresentou déficit de Estatura-para-idade, e o indicador IMC-para-idade revelou 4 (16,7%) crianças com baixo peso, 6 (25%) com obesidade e 4 (16,7%) com sobrepeso. O resultado de 10 (42%) crianças com excesso de peso é preocupante, sendo quase duas vezes maior que o encontrado (23,5%) em estudantes de 6 a 12 anos de Sobradinho/MG. Realização de almoço e jantar foi referido por todas as crianças, enquanto ceia foi a refeição menos referida. Mais da metade (66,7%) da amostra relatou assistir à TV/usar computador/celular/tablet durante as refeições. Sobre o consumo do dia anterior, destaca-se que 15 (62,5%) crianças consumiram bebidas adoçadas, 12 (50%) consumiram feijão e 9 (37,5%) consumiram frutas, e 11 (45,8%) consumiram verduras. Em estudo realizado com crianças entre 8 e 9 anos de idade das escolas de Viçosa/MG, observou-se consumo de bebidas açucaradas por 76,5% da amostra, associado a elevado consumo de salgados, batatas fritas e doces. Em São Luís do Maranhão/MA, verificou-se o feijão como terceiro alimento mais consumido (61,6%) pelos estudantes. E o baixo consumo de frutas já é conhecido entre crianças e adolescentes: estudo realizado com alunos do 8° ano, no Rio de Janeiro/RJ, identificou que apenas 45,8% da amostra tinha consumo ideal de frutas. Conclui-se que ações educativas são necessárias para incentivar maior frequência no consumo de feijão, frutas e verduras neste público, além de conscientizar sobre o malefício do consumo frequente de bebidas adoçadas, propondo alternativas práticas para o cotidiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-12-04
Como Citar
FERREIRA, L.; LUIZA DE OLIVEIRA ROSA, M.; DORNELES PINHEIRO, M.; DE ANDRADE FERREIRA, C.; LONDERO, L.; CARNEIRO ALMEIDA, L. CONSUMO, COMPORTAMENTO ALIMENTAR E PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE ITAQUI/RS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 3, 4 dez. 2020.