PLANTAS ALIMENTÍCIAS NÃO CONVENCIONAIS (PANC’S) NA ENOGASTRONOMIA DA SERRA GAÚCHA

  • Vaneisa Gobatto
  • Shana Paula Segala Miotto
  • Gisele Mion Gugel
  • Raquel Margarete Franzen de Avila
Rótulo Vinho, Gastronomia, Analise, sensorial

Resumo

A Serra Gaúcha é um dos destinos mais visitados do país, sendo reconhecida por oferecer aos turistas a experiência única de imersão na culinária típica da região, além de proporcionar a degustação de sucos, vinhos e espumantes. A arte de combinar vinhos e alimentos é chamada de Enogastronomia, sendo que o objetivo principal é um agradável e correto casamento de percepções sensoriais entre a bebida e a comida exaltando e nunca se sobrepondo as características individuais de cada elemento. Normalmente, harmonizam-se pratos clássicos, como risotos, massas, carnes e sobremesas, incluindo o vinho no seu preparo, ou agregando a bebida quando os mesmos são consumidos. Há alguns anos, as PANC vem ganhando cenário na gastronomia brasileira, devido ao seu sabor diferenciado e alto valor nutricional. São plantas, normalmente nativas, de fácil cultivo, o que auxilia na preservação do meio ambiente e no resgate cultural, estas também oferecem a soberania alimentar e inovação gastronômica. As PANC ainda são pouco utilizadas neste cenário da Serra Gaúcha. O não reconhecimento deste potencial gastronômico está atrelado a monotonia alimentar e as facilidades ofertada pela alimentação convencional. Este trabalho teve como objetivo combinar vinhos e plantas PANC no preparo de pratos tradicionais. Para tanto, foram desenvolvidas duas receitas: a) entrada: canapé de ora-pro-nóbis (Pereskia aculeata) com ricota e grissini ao molho de mel e trevo (Trifolium pratense); b) prato principal: risoto de dente-de-leão (Taraxacum officinale) com medalhão de frango e risoto de capuchinha (Tropaeolum majus) com medalhão de gado e c) sobremesa: sagu de vinho branco e pudim de vinho com flores (Rhododendron japonicum, Magnolia) que utilizaram vinho e PANC na sua composição. Foram convidados 18 provadores para apreciação das receitas e os mesmos avaliaram os pratos dando notas de 1 (desgostei muitíssimo) a 9 (gostei muitíssimo), além do teste de intenção de compra de 1 (certamente não compraria) a 5 (certamente compraria). Os resultados, com base nas notas, apontam que todos os pratos tiveram boa aceitação, sendo que a entrada mais bem avaliada foi o canapé de ora-pró-nóbis, média 9 para a avaliação global e 5 para a intenção de compra, o prato principal foi o risoto de dente de leão (médias 8 e 4) e a sobremesa, o pudim de flores (médias 9 e 4). As avaliações (notas 8 gostei e 9 gostei muitíssimo) demonstram que as receitas agradaram o paladar dos participantes. A intenção de compra (4 compraria e 5 certamente compraria) apontam que os mesmos estariam dispostos a adquirir estas receitas, porém neste momento ainda não foram mensurados valores em reais. As boas notas atribuídas aos pratos nos permitem inferir que a adição de PANC a receitas tradicionais proporcionou uma interessante experiência sensorial. Podemos dizer que os pratos apresentaram potencial para serem utilizados na Enogastronomia, uma vez que tiveram boa aceitação pelos provadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-12-04
Como Citar
GOBATTO, V.; PAULA SEGALA MIOTTO, S.; MION GUGEL, G.; MARGARETE FRANZEN DE AVILA, R. PLANTAS ALIMENTÍCIAS NÃO CONVENCIONAIS (PANC’S) NA ENOGASTRONOMIA DA SERRA GAÚCHA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 3, 4 dez. 2020.