ACEITAÇÃO DA CARNE DE COELHO PELA POPULAÇÃO DO MUNICIPIO DE DOM PEDRITO (RS)

  • Lucas Velasques
  • Erika Pereira Miranda
  • Nuria Vani Adolfo Garcia
  • Norton Victor Sampaio
Rótulo cunicultura, carne, coelho, alternativa, proteica

Resumo

ACEITAÇÃO DA CARNE DE COELHO PELA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE DOM PEDRITO (RS) Lucas Costeira Velasques*1; Erika Miranda*1; Núria Garcia*1 Norton Victor Sampaio *2 A cadeia produtiva da cunicultura no Brasil hoje é quase inexistente, onde consumo médio anual de carne de coelhos é equivalente a 200 gramas por pessoa, enquanto em alguns países da Europa, este consumo chega a 7 kg. Em termos nutricionais este dado pode ser preocupante, uma vez que a carne de coelho é rica em ômega 3, um acido graxo importante para a qualidade da dieta, mas que o organismo humano não consegue produzir. Por outro lado, trata-se de uma fonte de proteína animal semelhante às disponíveis por outros tipos de carnes, como de bovinos, suínos e aves, mas podendo ser produzidas com menores impactos ambientais. O objetivo desse trabalho é informar e incentivar as pessoas a consumirem essa opção de proteína animal, disponível no mercado, mas que ainda tem uma baixa demanda no Brasil. O trabalho foi realizado em Dom Pedrito, a 67 km da fronteira com Uruguai, município com população estimada em 38.589 habitantes (IBGE, 218-2019) e uma área territorial de 5.192.105 km². Foi realizado um questionário, submetido a entrevistados via e-mail, onde foram coletadas informações de individuais de 114 pessoas, com estratificação por sexo, idade e preferências de consumo de carne. 79,8% dos entrevistados são do sexo feminino e 20,2% do sexo masculino; 43% tem entre 18 e 24 anos, 22,8% tem entre 25 e 36 anos e 34,2% tem 37 anos ou mais. Entre os entrevistados, 61,4% disseram que consomem carne 5 ou mais vezes por semana, 74.5% preferem carne bovina, 79,8% responderam que nunca comeram carne de coelho. Depois de saber os benefícios da carne de coelho 40,4% responderam que passariam a consumir a mesma. Dos 59,6% que responderam que não comeriam, 40,6% responderam que o motivo é por piedade. A cadeia produtiva da cunicultura vem se mostrando rentável, sustentável e promissora em todos os seguimentos em que ela atua. O Brasil muda lentamente seu desenvolvimento para uma produção mais sustentável e plural, como uma característica cultural, produtiva e de hábitos sócio econômicos. A cunicultura tem muito potencial para se desenvolver no Brasil, precisando ter maior visibilidade e consumidores melhor informados e familiarizados com sua cadeia de produção e consumo. Palavras chave: cunicultura, carne de coelho, alternativa proteica *1 Aluno do Curso de Tecnologia em Agronegócio, UNIPAMPA, Campus Dom Pedrito *2 Orientador, Prof. Associado UNIPAMPA, Campus Dom Perito ALMEIDA, D. G. Um estudo da viabilidade técnica e econômica rural . Revista perspectiva em gestão, educação e tecnologia. FATEC, Itapetinga-SP, 2012 COELHO REAL, disponível em: https://www.coelhoreal.com.br/carnecoelho.htm IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa da população munici

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-12-04
Como Citar
VELASQUES, L.; PEREIRA MIRANDA, E.; VANI ADOLFO GARCIA, N.; VICTOR SAMPAIO, N. ACEITAÇÃO DA CARNE DE COELHO PELA POPULAÇÃO DO MUNICIPIO DE DOM PEDRITO (RS). Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 3, 4 dez. 2020.