CONHECER PARA INTERVIR: DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL DE ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL SÃO PATRICIO - ITAQUI/RS

  • Fagner Machado Quintana
  • Camila Gabrielle Castro da Silva
  • Franko Marcelo Goulart Andreoli
  • Guilherme Silva da Silva
  • Robson Barros Muniz
  • Lana Carneiro Almeida
Rótulo Educação, Alimentar, Hábitos, Alimentares, Alimentação, Escolar

Resumo

A obesidade é caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, o que pode acarretar diversas comorbidades à saúde. A população infantil é a mais vulnerável, e os estudos mostram que o excesso de peso na infância aumenta o risco de vários agravos à saúde e de mortalidade na vida adulta (ADAMI; VASCONCELOS, 2008). Este trabalho objetivou realizar a fase do diagnóstico do processo de intervenção educativa em alimentação e nutrição com crianças de um colégio estadual de Itaqui/RS, visando a detectar os pontos a serem trabalhados nas próximas fases. Este trabalho faz parte de uma ação maior que consistiu em uma intervenção experimental do tipo ensaio de comunidade, realizada junho a julho de 2019, baseada no Guia Metodológico de Comunicação Social em Nutrição (FAO, 1999), composto pelas fases: diagnóstico, formulação, intervenção e avaliação. O público-alvo foi formado por 15 crianças de ambos os sexos, regularmente matriculadas no 2º ano do ensino fundamental, com idade de 6 a 8 anos. Foram obtidas medidas de peso e altura para a avaliação do estado nutricional, classificado em eutrofia, sobrepeso e obesidade, conforme as curvas de Índice de Massa Corporal para Idade (OMS, 2007). Aplicou-se ainda um questionário contendo ilustrações de atividades físicas, para conhecer a atividade física e de lazer extraclasse, quais alimentos consumidos e qual origem (cantina, casa ou merenda) e classificados de acordo com o Guia Alimentar para a População Brasileira (BRASIL, 2014). Ainda, o Questionário de Comportamento Alimentar de Criança (CEBQ) foi adaptado e enviado para os pais realizarem o preenchimento (VIANA; SINDE, 2008). O diagnóstico revelou 4 (30,7%) crianças com excesso de peso, 10 (76,9%) que jogam futebol, 10 (76,9%) que andam de bicicleta e 8 (61,5%) que jogam no celular, porém não se obteve informação sobre tempo de uso. Pesquisa feita com estudantes encontraram resultados mais preocupantes, onde 86,2% realizavam atividades marcadoras de sedentarismo (CORDAZZO; VIEIRA, 2008). Sobre o tipo dos alimentos consumidos na merenda, foi observado que 87,5% dos alimentos trazidos de casa e todos os alimentos comprados na cantina eram bebidas e produtos ultraprocessados. Estudo com crianças em escolas públicas e privadas de São Luiz/MA encontrou valores semelhantes (CONCEIÇÃO et al., 2010). Com relação ao comportamento alimentar dos filhos, mais da metade dos pais informaram que não se interessam por oferecer alimentos novos e 10 (71,5%) ofereceriam refrigerantes aos filhos. As atividades extraclasse referidas pela amostra apresentou alguns aspectos positivos, entretanto o consumo alimentar mostrou-se o oposto. Conclui-se que intervenções educativas são necessárias para conscientizar as crianças e seus responsáveis sobre as consequências que o excesso de peso e os ultraprocessados acarretam à saúde, incentivar o consumo de frutas, legumes e verduras, propondo sugestões de lanches saudáveis para serem levados de casa e/ou vendidos na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-12-04
Como Citar
MACHADO QUINTANA, F.; GABRIELLE CASTRO DA SILVA, C.; MARCELO GOULART ANDREOLI, F.; SILVA DA SILVA, G.; BARROS MUNIZ, R.; CARNEIRO ALMEIDA, L. CONHECER PARA INTERVIR: DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL DE ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL SÃO PATRICIO - ITAQUI/RS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 3, 4 dez. 2020.