ACHADO COPROPARASITOLÓGICO EM FEZES DE RATÃO-DO-BANHADO (MYOCASTOR COYPUS) NA CIDADE DE PELOTAS-RS

  • Thaíssa Gomes Pellegrin
  • Maysa Seibert de Leão
  • Julia Somavilla Lignon
  • Fabíola Cardoso Vieira
  • Ives Feitosa Duarte
  • Felipe Pappen
Rótulo Diagnóstico, parasitológico, Fauna, silvestre, Roedores

Resumo

A ordem Rodentia é a maior ordem dos mamíferos por conta da sua capacidade reprodutiva. O ratão-do-banhado (Myocastor coypus) habita basicamente na América do Sul e, no Brasil, é predominante na região sul. Habita pântanos, margens de lagos e rios, principalmente onde há vegetação em abundância. O parasitismo é uma condição em que dois organismos desenvolvem uma relação na qual o parasito depende de elementos produzidos pelos indivíduos infectados, mantendo seu ciclo biológico. A relação entre parasito, hospedeiro e meio ambiente determina a importância dos achados coproparasitológicos como avaliação e interpretação da importância da frequência de parasitismo em espécies de animais exóticos. Por isso, o diagnóstico parasitológico de animais silvestres que são mantidos em cativeiro ou, aqueles que por algum motivo são recolhidos, é fundamental para tomar decisões relacionadas ao tratamento dos mesmos, visto que o grau de parasitismo pode influenciar na imunidade do animal e aumentar a predisposição a agentes infecciosos. O objetivo do presente estudo foi relatar o achado coproparasitológico em fezes de um ratão-do-banhado (Myocastor coypus). Foi recebida no laboratório do Grupo de Estudos em Enfermidades Parasitárias (GEEP) da Faculdade de Veterinária na Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), uma amostra de fezes de ratão-do-banhado (Myocastor coypus) que estava no Núcleo de Reabilitação da Fauna Silvestre (NURFS). O processamento da amostra foi realizado a partir da técnica coproparasitológica elaborada por Willis-Mollay (1921). A amostra analisada apresentou dois ovos de dois gêneros parasitários, um da ordem Strongylida e outro,da ordem Ascaridida. Resultados como este são esperados em animais silvestres, visto que esses roedores possuem vida livre e sua alimentação é principalmente a base de gramíneas, onde os parasitos se encontram nas suas formas infectantes. É importante determinar o número de ovos de parasito, pois em alta carga parasitária, podem haver efeitos nocivos ao hospedeiro. Conclui-se que o espécime de Myocastor coypus estava parasitada por um baixo numero de ovos das ordens Strongylida e Ascaridida. Isso serve de alerta para a necessidade de um monitoramento constante dos animais em cativeiro, uma vez que essa condição pode alterar a relação de vida livre entre parasito e hospedeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-12-04
Como Citar
GOMES PELLEGRIN, T.; SEIBERT DE LEÃO, M.; SOMAVILLA LIGNON, J.; CARDOSO VIEIRA, F.; FEITOSA DUARTE, I.; PAPPEN, F. ACHADO COPROPARASITOLÓGICO EM FEZES DE RATÃO-DO-BANHADO (MYOCASTOR COYPUS) NA CIDADE DE PELOTAS-RS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 3, 4 dez. 2020.