GALERIA INTERCULTURAL MAGLIANI: EXPERIÊNCIAS DE UMA GESTÃO PROTAGONIZADA POR DISCENTES

  • Jady Marcela Correia Pereira
  • Francisco da Trindade Costa Junior
  • Giane Vargas Escobar
Rótulo Galeria, Arte, Protagonismo, Desenvolvimento, local, Curadoria, Discentes

Resumo

A Galeria Intercultural Magliani (GIM) que completa em novembro de 2019 dois anos de (Re)existência, é um projeto de extensão da UNIPAMPA Campus Jaguarão que visa a difusão das artes plásticas e visuais, o apoderamento dos espaços universitários como instrumento de desenvolvimento cultural local e integração da comunidade do entorno. Em celebração a ancestralidade e protagonismo da primeira mulher negra graduada em Artes Plásticas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a galeria homenageia através de seu nome a artista pelotense Maria Lídia dos Santos Magliani, por sua contribuição a luta antirracista e resistência, reafirmando a dimensão e complexidade de se expressar enquanto mulher negra através de suas produções artísticas, culturais e intelectuais em uma sociedade racista. Há grandes desafios para uma gestão contínua da GIM tendo em vista que se trata de um ambiente multidisciplinar e que propicia a prática profissional como laboratório de experimentações para os discentes colocarem em prática as teorias abordadas em sala de aula, para além disso, a GIM é um espaço destinado a comunidade interna e externa, que através das exposições contribui para a integração, interação e consequentemente para o desenvolvimento e divulgação das produções de artistas locais. Considerando a GIM como instrumento de desenvolvimento cultural local, que pretende abordar diversas temáticas e alcançar diferentes públicos o objetivo deste trabalho é evidenciar os métodos escolhidos para uma gestão horizontal protagonizada por discentes da instituição, em especial do curso de Bacharelado em Produção e Política Cultural. A metodologia de trabalho adotada parte do planejamento, concepção e montagem de exposições, a partir de uma gestão que visa o protagonismo discente sob orientação da coordenação do projeto, isto é, todas as ações e atividades desenvolvidas pela galeria é definida através de reuniões com a coordenação do projeto. A duração das exposições se dá em média de 20 dias, havendo um final de semana para desmontagem e montagem da mostra seguinte. Durante cada exposição planejam-se ações educativas com os alunos da educação básica mediadas por discentes de todos os cursos da UNIPAMPA Campus Jaguarão, em dias e horários agendados, com duração média de uma a duas horas. As ações e exposições desenvolvidas por intermédio da GIM promovem reflexão e contribui para o pensamento crítico tanto para quem realiza a curadoria, quanto para o público que visita a exposição. A autonomia discente em produzir e executar ações e exposições tem proporcionado um processo de aprendizagem significativo, motivando pesquisas independentes, estimulando a criatividade e inovação no ensino e atividades de extensão. Percebe-se ainda impactos significativos a partir do planejamento e gestão do espaço, onde a democratização cultural e o protagonismo discente passam a valorizar os processos, trocas de experiências e saberes entre comunidade interna e externa.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-12-04
Como Citar
MARCELA CORREIA PEREIRA, J.; DA TRINDADE COSTA JUNIOR, F.; VARGAS ESCOBAR, G. GALERIA INTERCULTURAL MAGLIANI: EXPERIÊNCIAS DE UMA GESTÃO PROTAGONIZADA POR DISCENTES. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 3, 4 dez. 2020.