AVALIAÇÃO DAS ISOTERMAS E PARÂMETROS TERMODINÂMICOS NA ADSORÇÃO DE CORANTES POR RESÍDUO DE COMPOSTAGEM

  • Nathália Silva
  • Matias Schadeck Netto
  • Isadora Argenta Preigschadt
  • Luis Felipe Silva Oliveira
  • Guilherme Luiz Dotto
  • Evandro Stoffels Mallmann
Rótulo adsorção, efluente, corante

Resumo

A indústria têxtil é uma das maiores geradoras de efluentes líquidos, devido à grande quantidade de água utilizada nos processos de acabamento. Sendo assim, os efluentes contaminados devem passar por tratamento para serem descartados de maneira segura no meio ambiente. Desse modo, resíduos agro-industriais têm sido utilizados para a remoção de corantes têxteis em soluções aquosas, pois estão disponíveis em grande quantidade, assim sendo, uma alternativa viável tanto do ponto de vista econômico como ambiental. O presente trabalho teve como objetivo analisar as isotermas de adsorção do corante Methyl violet 2B utilizando como adsorvente resíduo de compostagem. A partir do estudo isotérmico, o qual descreve a influência da concentração inicial do adsorbato no processo, informando a capacidade máxima de adsorção de determinado material. O material adsorvente foi previamente preparado de modo que o resíduo de compostagem foi seco em estufa a 60 °C durante 48 h. Em seguida, o resíduo foi cominuído em um moinho de sapatas até uma granulometria de 0,6 mm. Os testes de adsorção foram conduzidos em batelada, variando a temperatura em (25, 35, 45 e 55) °C, verificando-se a influência da mesma para capacidade de adsorção e remoção do corante nas concentrações de (20, 40, 60, 100, 150 e 200) mg.L-1. Os testes foram realizados em shaker sob agitação de 250 rpm, fixando-se a massa de 0.05 g de adsorvente, durante 2 horas. Os resultados obtidos foram ajustados em dois modelos, Langmuir e Freundlich, tendo o modelo de Freundlich melhor se ajustado aos dados da adsorção, o que indica a formação de multicamadas de adsorvato na superfície do adsorvente. O valor de R² e ARE para o modelo de Langmuir são respectivamente 0,968 e 23,5 enquanto que para o modelo de Freundlich os valores são 0,986 e 12,4, indicando um bom ajuste aos dados experimentais. A capacidade máxima de adsorção encontrada com o resíduo de compostagem para o corante Methyl violet 2B foi de 176,11 mg.g.-1, com uma remoção de 86,5 % a 55 °C, indicando que o aumento de temperatura favoreceu a adsorção. O processo se mostrou espontâneo e favorável (ΔG < 0) e endotérmico (ΔH = 14.42 kJ.mol-1) onde a magnitude do valor de ΔH sugere que ocorreu uma fisissorção. Com isso, conclui-se que o resíduo de compostagem pode ser utilizado como alternativa aos adsorventes usuais, uma vez que possui uma alta capacidade de adsorção e remoção do corante da solução inicial, além de, agregar valor a um material residual.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
SILVA, N.; SCHADECK NETTO, M.; ARGENTA PREIGSCHADT, I.; FELIPE SILVA OLIVEIRA, L.; LUIZ DOTTO, G.; STOFFELS MALLMANN, E. AVALIAÇÃO DAS ISOTERMAS E PARÂMETROS TERMODINÂMICOS NA ADSORÇÃO DE CORANTES POR RESÍDUO DE COMPOSTAGEM. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.