ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DO NANOCATALISADOR DE ÓXIDO DE FERRO.

  • Pâmela Muraro
  • Bruno Stefanello Vizzotto
  • Gabriela Pereira Chuy
  • William Leonardo da Silva
  • Sérgio Roberto Mortari
Rótulo Nanotecnologia, Nanocatalisadores, Biologia, Molecular, Bactérias

Resumo

Com o advento da nanotecnologia que se refere, respectivamente, ao estudo e às aplicações tecnológicas de objetos e dispositivos que tenham ao menos uma de suas dimensões físicas menor que, ou da ordem de algumas dezenas de nanômetros tem-se procurado desenvolver materiais nanoestruturados com propriedades fotocatalíticas. Assim, os avanços na área de pesquisa da nanocatálise e síntese de materiais nanoestruturados, como óxidos de ferro nanoestruturados, podem proporcionar oportunidades para o desenvolvimento de uma nova geração de sistemas de fotocatálise de alta capacidade, com fácil processo de separação e ciclos de reuso estendidos, gerando processos de despoluição mais eficientes e de baixo custo comparado aos métodos convencionais. Assim, o presente trabalho objetiva-se em verificar uma possível aplicabilidade biológica dos nanocatalisadores de óxido de ferro (puro e dopados com nanopartículas metálicas), através análise antimicrobiana frente as cepas de Staphylococcus aureus ATCC 25923, Escherichia coli ATCC 25922 e Pseudomonas aeruginosa ATCC 27853. Desse modo, os microrganismos foram primeiramente reativados em caldo Luria-Bertani (Merck®) por 24 horas à 37°C. Após, uma alçada do crescimento bacteriano foi semeada em ágar MacConkey (Merck®) e ágar Nutriente (Sigma-Aldrich®) e, novamente incubados a 37ºC por 24 horas. Enquanto, para o preparo dos inoculos bacterianos, 3-4 colônias de cada microrganismo foram transferidas para microtubos contendo 1 mL de água destilada estéril, sendo a densidade celular ajustada para 0.1 DO à 625nm, equivalente à escala 0.5 McFarland (1x108 UFC mL-1), em espectrofotômetro UV (Winex, UV 1100, USA). Após isso foi feita a avaliação da atividade antimicrobiana pelo método de disco-difusão e determinação da Concentração Inibitória Mínima (CIM) pelo método de microdiluição. Nos ensaios de disco-difusão observou-se que não houve inibição do crescimento dos microrganismos nas placas. Além disso, notou-se que não houve uma distribuição homogênea dos compostos no disco, provavelmente não permitindo um contato suficiente destes com a placa semeada, impedindo a utilização da técnica de modo satisfatório para determinação da atividade antimicrobiana. Nos ensaios de CIM, os nanocatalisadores de óxido de ferro puro ou dopados não foram eficientes para dois dos três tipos de microrganismos testados. Entretanto, foi observado a presença de zonas de inibição feita pelo disco difusão e CIM, pode-se notar que a bactéria E. coli apresentou maior sensibilidade do que os outros microrganismos testados. Por conseguinte, todos os nanocatalisadores inibiram o crescimento da E. coli em altas concentrações, tornando uma possível aplicação biológica para estes materiais.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
MURARO, P.; STEFANELLO VIZZOTTO, B.; PEREIRA CHUY, G.; LEONARDO DA SILVA, W.; ROBERTO MORTARI, S. ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DO NANOCATALISADOR DE ÓXIDO DE FERRO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.