AVALIAÇÃO DA AÇÃO CORROSIVA DE ÁGUAS NATURAIS E TRATADA SOBRE O AÇO CARBONO

  • Amanda Gasparoni
  • Juliana Machado Bertoi
  • Luciana Machado Rodrigues
Rótulo corrosão, águas, aço, carbono

Resumo

A corrosão pode ocorrer em diferentes meios, como na atmosfera, em solos, em águas, em produtos químicos, a altas temperaturas, em presença de microrganismos, entre outros. Todos os tipos de águas podem apresentar um caráter corrosivo, naturais ou tratadas, causando um ataque a materiais metálicos que estejam imersos nestes meios. As águas compõem um meio corrosivo de constituição química complexa e de difícil estudo, por envolver diversos constituintes, como sais, microrganismos, poluentes, materiais particulados, etc. Estudos relatam que a água do mar promove a corrosão em aços carbono, atingindo taxas de 130 mm/ano, em um curto prazo. O presente trabalho investiga o caráter corrosivo de águas sobre amostras de aço carbono, comumente empregado na construção de dutos, tanques e plataformas marítimas. Neste trabalho foram avaliadas amostras de água do mar (Porto Seguro-BA), água de arroio (Bagé-RS), água de lago (Bagé-RS), água subterrânea de poço artesiano (Bagé-RS) e água potável tratada por Estação de Tratamento de Águas (Bagé-RS). O estudo baseou-se na caracterização físico-química das amostras de águas, considerando pH, condutividade elétrica, índice de turbidez e teor de sólidos totais dissolvidos. As amostras metálicas foram de aço API 5L Grau B, sendo preparadas por corte e lixamento em lixas d´água, e sua morfologia analisada por microscopia óptica, em estereomicroscópio. O estudo da corrosão do aço foi realizado expondo-se diretamente as amostras metálicas nas águas selecionadas, durante 180 dias. Ao final da exposição do aço nas amostras de águas foi determinada a taxa de corrosão de acordo com a metodologia apresentada na norma técnica ASTM G1-90 (Standard Practice for Preparing, Cleaning, and Evaluation Corrosion). O ataque corrosivo sofrido pelo aço foi caracterizado por microscopia óptica. Resultados indicam que as amostras de águas com maior potencial corrosivo ao metal apresentaram elevados valores de condutividade elétrica e índice de turbidez. Após 30 dias de exposição foram nucleados os primeiros ataques corrosivos ao metal, com a formação de uma fina camada de produtos de corrosão, provavelmente hidróxidos e óxidos de ferro. Entre 30 e 180 dias de exposição ocorreu a intensa formação de produtos de corrosão, os quais começaram a se desprender da superfície metálica, provocando a precipitação deste material. Ao fim de 180 dias de exposição a água do mar foi destacada com maior potencial agressivo ao aço, apresentando a maior taxa de corrosão, seguida pelas águas de lago e poço artesiano (água subterrânea). A água tratada foi a amostra que resultou em uma menor taxa de corrosão, no entanto, foi possível visualizar por microscopia alguns pontos de ataque localizado por pite. Conclui-se que para todos os tipos de águas (naturais e tratada) é importante a proteção de estruturas metálicas em contato direto com as mesmas, para se evitar a degradação dos metais e a contaminação das águas por produtos de corrosão.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
GASPARONI, A.; MACHADO BERTOI, J.; MACHADO RODRIGUES, L. AVALIAÇÃO DA AÇÃO CORROSIVA DE ÁGUAS NATURAIS E TRATADA SOBRE O AÇO CARBONO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.