ESTUDO DA ADSORÇÃO DO CORANTE AZUL DE METILENO POR RESÍDUO DE AZEVÉM (LOLIUM MULTIFLORUM L.)

  • Fernanda Crespo
  • Taís Douglas Andrade
  • Elenara Oliveira da Silva
  • Andre Ricardo Felkl de Almeida
Rótulo Adsorção, Palha, azevém, Resíduo, agrícola, Corante, Tratamento, efluentes

Resumo

O azevém (Lolium multiflorum L.) é uma gramínea forrageira de clima temperado com grande disponibilidade no Rio Grande do Sul. O resíduo agrícola gerado após a colheita (palha) não possui valor comercial agregado e pode ser uma alternativa para ser utilizando como adsorvente no tratamento de efluentes. A adsorção é uma operação unitária em que contaminantes presentes em fluidos ficam retidos na superfície de sólidos. Essa operação é bastante aplicada na indústria têxtil para a remoção de corantes presentes nos efluentes, que são altamente poluidores quando expostos ao meio ambiente. Desse modo, o objetivo deste trabalho foi estudar o processo de adsorção do corante azul de metileno, padrão de análise de efluentes têxteis, por resíduo agrícola de azevém moído. Com a temperatura de 35 °C, realizou-se testes de cinética de adsorção com o pH da solução de 4, 6 e 8. Nesse estudo utilizou-se amostras com 0,5g de palha em 25 mL de solução concentrada (150 mg/L) de azul de metileno. Para o ensaio variou-se o tempo de agitação do sistema em até 120 min e os testes foram realizados em duplicatas em um banho termostático sob agitação constante. No término do processo, as amostras foram centrifugadas por 15 min e alíquotas do sobrenadante tiveram suas absorbâncias obtidas em espectrofotômetro UV-Visível a 660 nm para a determinação da eficiência de adsorção. Os resultados obtidos mostraram que o pH mais ácido (4) apresentou uma melhor adsorção em comparação aos outros analisados, com eficiência de processo de até 98%. Para essa condição foi ajustado modelos para a cinética de adsorção de Pseudo primeira ordem, de Pseudo segunda ordem (Lagergren) e da difusão intrapartícula. Observou-se que o modelo que melhor se ajustou foi o de Pseudo segunda ordem com um coeficiente de correlação de 0,995, qui-quadrado de 0,0356 e erro médio relativo de 2,062, o que indica uma boa capacidade de adsorção do adsorvente e que o processo é dominado pela convecção de massa na superfície do adsorvente.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
CRESPO, F.; DOUGLAS ANDRADE, T.; OLIVEIRA DA SILVA, E.; RICARDO FELKL DE ALMEIDA, A. ESTUDO DA ADSORÇÃO DO CORANTE AZUL DE METILENO POR RESÍDUO DE AZEVÉM (LOLIUM MULTIFLORUM L.). Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.