CARACTERIZAÇÃO DO VERNIZ INTERNO DE LATAS DE ALUMÍNIO PARA SUCOS E CHÁS

  • Carolaine Goncalves
  • Fernanda Machado Crespo
  • Luciana Machado Rodrigues
Rótulo Verniz, microscopia, latas, alumínio, sucos, chás, pH, condutividade

Resumo

A lata de alumínio para bebidas recebe um verniz interno para a proteção e isolamento do alimento, evitando o contato direto com o metal. Este verniz é uma película polimérica aderente, transparente, de fácil aplicação, constituído por resinas como, fenólicas e epóxi, apresentando elevada resistência mecânica, química, térmica, à abrasão, e sendo atóxico ao produto. O rompimento do verniz permite que a bebida entre em contato com o metal, formando uma pilha galvânica, onde o alimento atua como eletrólito. Portanto, a integridade do verniz auxilia a manter as propriedades dos alimentos. Os alimentos são sistemas bioquímicos complexos que apresentam ampla faixa de pH. Entre os efeitos mais importantes provocados pelos alimentos encontra-se a possibilidade de aceleração da corrosão do metal da embalagem, principalmente, se o alimento apresentar uma elevada condutividade elétrica. Neste trabalho foi realizada a caracterização do verniz interno de latas de alumínio para sucos de manga, pêssego e uva, e chás de pêssego (com e sem adição de açúcar), sendo determinada a quantidade aplicada, o grau de cura, a aderência e a morfologia do verniz. As embalagens foram submetidas ao corte de amostras da tampa, corpo e base das latas. As bebidas foram caracterizadas por análises de pH e condutividade elétrica (CE). A quantificação da camada de verniz foi determinada por método gravimétrico com dissolução em acetona; o grau de cura foi obtido através do teste de dissolução em metil-etilcetona; o nível de aderência do verniz foi determinado pelo teste de grade ou cross hatch, conforme a norma técnica ABNT 11003; e a morfologia do verniz foi analisada em microscópio metalúrgico com sistema de aquisição de dados acoplado. Os resultados apresentaram que os valores de pH das bebidas variam de 2,0 (suco de uva) a 4,0 (suco de manga); e a CE entre 3,6 (chá de pêssego sem açúcar) e 8,2 mS/cm (suco de uva). Verificou-se que a quantidade de verniz aplicada esteve na faixa de 1,3 (chá de pêssego sem açúcar) a 2,1 mg/cm² (suco de uva). O grau de cura demonstrou-se eficiente para os chás e insuficiente para a maioria dos sucos. Além disso, todas as amostras apresentaram grau 1 de aderência do verniz, ou seja, boa aderência ao metal. A análise morfológica do verniz indicou a ocorrência de deformações profundas no verniz da base da lata de suco de uva, e pontos de ataque aos vernizes das latas de chás e suco de pêssego. Foi possível verificar uma maior rugosidade dos vernizes no corpo das latas de suco de uva e chás de pêssego. A base das latas foi a região de maior ocorrência de casos de ataques ou degradação do verniz, seguida pelas tampas. As bebidas com pH mais ácidos e maiores condutividades elétricas promoveram a maioria dos casos de defeitos no verniz. A importância deste trabalho comprova-se pela fácil caracterização e identificação de danos aos vernizes das embalagens analisadas. Esta deterioração pode acarretar na migração de íons metálicos para o alimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
GONCALVES, C.; MACHADO CRESPO, F.; MACHADO RODRIGUES, L. CARACTERIZAÇÃO DO VERNIZ INTERNO DE LATAS DE ALUMÍNIO PARA SUCOS E CHÁS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.