UM ESTUDO QUANTITATIVO SOBRE A NEGAÇÃO DO RACISMO

  • Rodrigo Francisco
  • Walker Douglas Pincerati
Rótulo negação, racismo, silêncio

Resumo

A pesquisa parte da hipótese de que existe uma complexidade da negação do racismo no Brasil. Indício disso pode ser detectado numa pesquisa realizada em 2014 pelo Instituto Data Popular, em que 92% dos brasileiros entrevistados declararam existir racismo no Brasil, mas somente 1,3% declararam ser racistas. Em face desse paradoxo, pode-se entender que o racismo não só existe enquanto prática social, mas também é constitutivo da subjetividade de seu praticante. Sendo assim, pode-se questionar se essa negação constitui tanto uma prática social e a subjetividade do falante, bem como, e por consequência, tem por efeito negar ao negro a construção de sua humanidade e cidadania. Para responder a essa questão, esta pesquisa problematiza a formação do discurso racista brasileiro, tomando a negação e suas modalidades como estruturantes desses discursos. Quer descobrir se essa negação se verifica objetivamente via dados quantitativos em pesquisas já realizadas. Para atingir tal fim, foi realizado um levantamento bibliográfico em bases de dados nacionais, utilizando-se as palavras-chaves: 'negação' e 'racismo', a fim de identificar os trabalhos já realizados nesta temática. Para estruturar os achados em metadados, extraiu-se dos textos encontros estes dados quantitativos: o tipo de publicação - se científica ou não, artigo, relatório, etc -; a área e a região de realização da pesquisa, e os sujeitos pesquisados; a metodologia empregada e os resultados obtidos. O levantamento detectou nove trabalhos publicados: quatro são artigos científicos da área das ciências sociais, sendo três desses textos publicados no Brasil - um no Rio de Janeiro, um na Bahia e um em Pernambuco - e um nos Estados Unidos; três trabalhos no campo da psicologia, sendo dois artigos e uma tese, todos da mesma autora, que é de São Paulo. Ainda completa esta tabela, dois textos publicados na versão brasileira da revista Le Monde Diplomatique. O que se percebe neste tabelamento é que a maior parte das pesquisas na temática foram realizadas na região sudeste e apenas duas pesquisas no nordeste brasileiro. Outra característica consiste no fato de que dos nove artigos, sete têm como autor ou co-autor mulheres; somente dois deles artigos são escritos por homens e eles são não-negros. Do ponto de vista do conteúdo, detecta-se que o argumento que justificou a realização de todas as pesquisas é o de combater a ideia de que "existe uma democracia racial e que há uma identidade nacional". Por fim, deve-se pontuar que essas pesquisas descobriram aspectos semânticos que negativizam a figura do negro brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
FRANCISCO, R.; DOUGLAS PINCERATI, W. UM ESTUDO QUANTITATIVO SOBRE A NEGAÇÃO DO RACISMO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.