MODELOS BIVARIADOS APLICADOS NA ANÁLISE DE EVENTOS MÁXIMOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIAL E TEMPERATURA EM URUGUAIANA

  • Maiara Lopes
  • Gilberto Rodrigues Liska
Rótulo 1, Probabilidade, ocorrência, 2, Modelo, Logístico, Simétrico, 3, Meteorologia

Resumo

i) introdução: Quando se associa as precipitações aos valores extremos, neste caso as chuvas extremas, surgem preocupações, pois estas podem causar enchentes, desmoronamentos, acidentes de trânsito e perdas de produções agrícolas. Geralmente, a ocorrência de precipitação máxima está relacionada com outras variáveis meteorológicas, como velocidade do vento, temperatura, umidade, entre outras. Estudos que envolvam a análise conjunta de eventos extremos não são comuns, uma vez que a modelagem desses eventos se torna mais complexa e recursos computacionais que efetuam esse tipo de análise são escassos; ii) hipótese(s): A distribuição bivariada de valores extremos pode ser utilizada para calcular probabilidades de níveis máximos de precipitação e temperatura na cidade de Uruguaiana-RS; iii) objetivo(s): Ajustar modelos bivariados de valores extremos e fornecer probabilidade de ocorrência conjunta de níveis máximos de precipitação e temperatura superiores a 100 mm e 37ºC, respectivamente iv) material e métodos: Foram utilizados dados mensais máximos de precipitação e temperatura correspondente ao período de 1961 a 2018. Os parâmetros da distribuição bivariada Generalizada de Valores Extremos (GVE) e Gumbel foram estimados pelo método da máxima verossimilhança e foi utilizado o teste de razão de verossimilhanças para testar a hipótese de nulidade do parâmetro de forma da distribuição bivariada GVE. A qualidade do ajuste dos modelos foi avaliada pelos gráficos QQ-plot. Todas as análises foram realizadas no programa estatístico R; v) resultados e discussão: Os gráficos de qualidade de ajuste indicam que ambas distribuições de probabilidade bivariadas se ajustam satisfatoriamente aos dados. Pelo teste de razão de verossimilhanças e com 1 % de nível de significância, a distribuição Gumbel bivariada é mais adequada nos meses de março, outubro e novembro. A estimativa do parâmetro de dependência das distribuições bivariadas são superiores a 80% em todos os meses do ano, o que indica que existe relação forte entre a ocorrência de precipitação pluvial máxima e temperatura máxima. Para o mês de janeiro, a probabilidade de ocorrer uma precipitação pluvial e temperatura superiores a 100 mm e 37º é de 4,94% pela distribuição GVE bivariada. Por outro lado, para o mês de julho, o mesmo evento ocorre com probabilidade próxima de zero, o que indica um evento raro; vi) conclusão: As distribuições bivariadas de valores extremos se ajustaram aos dados de precipitação pluvial máxima e temperatura máxima na cidade de Uruguaiana, RS. Pelos modelos, as maiores probabilidades de ocorrer uma precipitação pluvial e temperatura superiores a 100 mm e 37º ocorrem no verão, e as menores no inverno

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
LOPES, M.; RODRIGUES LISKA, G. MODELOS BIVARIADOS APLICADOS NA ANÁLISE DE EVENTOS MÁXIMOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIAL E TEMPERATURA EM URUGUAIANA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.