CONTRIBUIÇÃO GEOFÍSICA NA PARTE NOROESTE DO ESCUDO SUL-RIO-GRANDENSE

  • Enzo Maran
  • Tiago Rafael Gregory
  • Felipe Guadagnin
  • Tiago Rafael Gregory
  • Felipe Guadagnin
Rótulo Escudo, Sul-rio-grandense, Geologia, Estrutural, Lineamentos, Magnéticos

Resumo

O sensoriamento remoto é uma ferramenta que facilita muito os trabalhos de mapeamento, uma vez que possibilita que áreas sejam analisadas à distância. Visto isso, o seguinte trabalho trata de uma análise remota de elementos estruturais dentro dos limites de coordenadas 6680000 a 6730000 mS e 720000 a 810000 mE (datum WGS 84; zona 21S), obtidos a partir de imagens geradas por meio do processamento de dados aeromagnéticos. Estes dados foram adquiridos do Projeto Aerogeofísico Escudo do Rio Grande do Sul, de 2010, disponibilizados pela Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM). Para o processamento foram utilizados os programas Oasis Montaj v 8.3.3 e Gimp v 2.8, bem como modelos digitais de elevação (MDE) elaborados no programa QGIS v 3.4. Para a obtenção do produto final, o arquivo XYZ referente aos dados magnéticos do escudo, passou-se por uma série de processos, envolvendo a aplicação de filtros de redução ao polo, amplitude do sinal analítico e passa baixa, com o objetivo de gerar uma imagem mais fiel a localização real de anomalias e realçar, em cada filtro, os corpos à profundidade desejada. As imagens MDE passaram por processos de reclassificação da elevação e de extração das bacias e redes de drenagem da área. A análise das imagens geradas levou a constatação de anomalias magnéticas somente no sentido NW-SE, possivelmente oriundas de corpos ígneos soterrados e/ou elementos estruturais de 2° ordem (tectônicos), tais como falhas e fraturas. Ao comparar os lineamentos magnéticos identificados no trabalho com o Mapa Geológico do Estado Rio Grande do Sul foi possível conferir alguns dos lineamentos a elementos estruturais já representados na carta, principalmente famílias de fraturas e falhas sentido NW-SE, das quais muitas podem estar preenchidas por diques basálticos do magmatismo Serra Geral, apesar de manter-se isso apenas como hipótese. O elemento estrutural mais evidente identificado foi uma falha normal com orientação paralela a falha inferida no mapa de redução ao polo e com o bloco a NE da falha abatido. Foram identificadas também feições anômalas semicirculares que provavelmente são oriundas de corpos ígneos máficos que intrudiram as rochas sedimentares do Triássíco Inferior (formações Sanga do Cabral e Pirambóia), possivelmente soleiras do magmatismo basáltico da Formação Serra Geral. Este trabalho faz parte do Projeto de Pesquisa intitulado Investigação de Lineamentos Magnéticos no Rio Grande do Sul, de autoria do Prof. Tiago Rafael Gregory, registrado no sistema de projetos da Unipampa. Para estudos futuros vinculados ao projeto, pretende-se verificar os resultados obtidos neste trabalho com dados obtidos em trabalhos de campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
MARAN, E.; RAFAEL GREGORY, T.; GUADAGNIN, F.; RAFAEL GREGORY, T.; GUADAGNIN, F. CONTRIBUIÇÃO GEOFÍSICA NA PARTE NOROESTE DO ESCUDO SUL-RIO-GRANDENSE. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.