ESTRATIGRAFIA DE ALTA FREQUÊNCIA NOS DEPÓSITOS PRÉ-CAMBRIANOS DA FORMAÇÃO ESTÂNCIA DE SANTA FÉ

  • Jean Toledo
  • Jean Carvalho Toledo
  • Gabriel Góes Marins
  • Ezequiel Galvao De Souza
Rótulo Estratigrafia, sequências, Geologia, sedimentar, Formação, Estância, Santa, Fé, Grupo, Bárbara, Leques, aluviais

Resumo

A estratigrafia de sequências (ES) estuda o empacotamento das camadas sedimentares gerado pela interação de fatores de escala local e global que influenciaram no aporte sedimentar e no espaço de acomodação disponível. Esta dinâmica é responsável pela criação de bacias sedimentares com geometrias que servem de registro da ciclicidade deposicional em várias escalas de tempo. A ciclicidade sedimentar é melhor preservada em ambientes costeiros, tendo em vista a dinâmica deposicional próxima e delimitada pelo nível relativo do mar (NRM). Entretanto, cada vez mais trabalhos têm surgido visando a aplicação da estratigrafia de sequências em ambientes deposicionais em que o NRM não é o principal fator controlador. Este estudo busca esta aplicação em leques aluviais da Formação Estância de Santa Fé (FESF), localizada no sopé da formação Acampamento Velho (FAV), pertencente ao Grupo Santa Bárbara, no município de Caçapava do Sul-RS. Leques aluviais são depósitos de sedimentos clásticos depositados ao sopé de um alto topográfico, são compostos tipicamente por sedimentos imaturos, fruto da sedimentação de alta energia. A estratigrafia de sequências de alta frequência (ESAF) busca descrever ciclos de sedimentação de 3ª a 5ª ordem, ou seja, em ciclos sedimentares de menor escala temporal, como variações no nível eustático e climáticas. Apesar da FESF ser bastante estudada, os estudos são de cunho litoestratigráfico, portanto, é pouco estudada sob os conceitos da ESAF. Este tipo de depósito carece deste tipo de estudo devido as condições dos afloramentos, à geometria dos leques e à dificuldade de correlacionar lateralmente os afloramentos, tornando o método pouco usual. O trabalho propõe uma nova abordagem ao registro sedimentar dos leques da FESF ao realizar levantamentos de alta frequência, conferindo maior resolução e melhor compreensão da geometria do depósito. A fim de realizar o levantamento estratigráfico em campo, foi necessária a utilização de equipamentos como bússola geológica, GPS, e vara de Jacob para medir a altura das camadas inclinadas. As aquisições de campo foram realizadas na porção proximal do leque, ao sopé da FAV, compiladas em uma seção colunar totalizando 26 m de rocha empilhada. No pós-campo os dados foram integrados em softwares como GIS e Illustrator para produção da coluna estratigráfica, o que permitiu a análise de informações estruturais, litológicas e principalmente de organização faciológica, progradante (PR) ou retrogradante (RT). Observou-se que a seção apresenta uma tendência a ter gradação normal, o que indica em baixa frequência uma retrogradação da feição do leque. Todavia, em alta frequência observou-se, da base para o topo, ciclos PR intercalados por um pequeno RT de 0 a 4 m de seção, seguidos de pequenos ciclos RT de 4 a 12 m, retornando a uma tendência PR até o fim da seção. Estes dados de maior resolução indicam que a construção do leque se deu de forma intermitente, com ciclos PR e RT ao longo do tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
TOLEDO, J.; CARVALHO TOLEDO, J.; GÓES MARINS, G.; GALVAO DE SOUZA, E. ESTRATIGRAFIA DE ALTA FREQUÊNCIA NOS DEPÓSITOS PRÉ-CAMBRIANOS DA FORMAÇÃO ESTÂNCIA DE SANTA FÉ. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.