ANÁLISE DOS SEDIMENTOS DA BARRAGEM DO FUNDÃO NO DELTA DO RIO DOCE UTILIZANDO SENSORIAMENTO REMOTO

  • Lucas Beling
  • Maximilian Fries
Rótulo Pluma, contaminação, Linhares-ES, Mariana-MG

Resumo

O rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Samarco no dia 05 de novembro de 2015 em Mariana MG trouxe sérios danos a sociedade local e ao meio ambiente. Estimativas do MPF (Ministério Público Federal) sugerem que aproximadamente 40 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério extravasaram da estrutura de contenção e outros 16 milhões de metros cúbicos continuaram escoando durante os dias seguintes. Este rejeito particulado foi transportado pelo Rio Doce em forma de uma pluma de contaminação que chegou até o seu delta na cidade de Linhares - ES. O seguinte trabalho propõe por meio de técnicas de sensoriamento remoto um estudo da influência da pluma de contaminação no delta do Rio Doce e áreas adjacentes. As imagens utilizadas no trabalho são disponibilizadas no site do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e geradas pelo satélite Landsat 8 de origem estadunidense. Foram escolhidas as imagens com critério de menor cobertura por nuvens. O intervalo temporal a ser analisado situa-se entre setembro de 2015 e setembro de 2019 sendo utilizadas oito imagens ao total englobando o período sem contaminação pelo rejeito, contaminação e dispersão. Utilizando o software QGIS versão 3.6 foram compostas bandas em RGB e infravermelho próximo para fins de comparação da resposta da água ao sensor. Foi também realizada uma classificação supervisionada pixel a pixel para fins de calcular a área total da pluma de contaminação. Como resultado foram observados significantes aumentos na turbidez da água no delta do Rio Doce, sendo que estes aumentos ocorrem justamente em datas próximas as do rompimento da barragem. Em valores numéricos, a imagem do dia 01/01/2016 revelou uma pluma com cerca de 41,645 km² na desembocadura do rio. Segundo o INPE o período de maior vazão do Rio Doce ocorre durante o mês de agosto e o período de menor vazão ocorre durante o mês de abril. A imagem onde é observada a pluma de sedimentos provenientes da barragem de rejeitos é nitidamente a maior e mais turva, sendo maior inclusive, que a pluma na imagem do mês de julho, próximo ao mês de maior vazão. Concluiu-se que o incidente de novembro de 2015 gerou prejuízos nas comunidades locais e no meio ambiente sendo o grande volume de lama causador de uma pluma de contaminação na costa brasileira influenciando o bioma marinho, fluvial e a qualidade de vida das pessoas. O método empregado neste estudo apresenta importantes informações e subsídios na comprovação do dano ambiental ocorrido e nas proporções do mesmo. Contribui de forma significativa no reconhecimento e identificação da geometria da pluma de sedimentos e adicionalmente propõe metodologia e rotina que pode ser adotada em estudos análogos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
BELING, L.; FRIES, M. ANÁLISE DOS SEDIMENTOS DA BARRAGEM DO FUNDÃO NO DELTA DO RIO DOCE UTILIZANDO SENSORIAMENTO REMOTO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.