DIÁLOGOS SOBRE INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (ISTS) COM ADOLESCENTES

  • Grace Merigo
  • Gabriela Sehnem
  • Eduarda Ferretti
  • Luís Gustavo Crochemore da Silva
  • João Felipe Peres Rezer
Rótulo infecções, sexualmente, transmissíveis, –, adolescentes, saúde, pública

Resumo

Introdução: A adolescência é a fase na qual se iniciam as relações sexuais; contudo, por vezes, o adolescente não possui conhecimento suficiente sobre as vulnerabilidades que está exposto e fica suscetível às infecções sexualmente transmissíveis (ISTs). Os pais são referências para os filhos e transmitem saberes, porém se tratando de sexualidade costuma não haver o compartilhamento de dúvidas entre o jovem e sua família, o que pode, consequentemente, predispor uma fragilidade. A Universidade Federal do Pampa realiza anualmente o Conhecendo a Unipampa o qual apresenta os cursos,setores e grupos de pesquisa para alunos de ensino médio. Logo, o Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão de Doenças Infectocontagiosas (NUPEEDIC), como estratégia de educação em saúde, realizou uma oficina, a fim de promover diálogos com os adolescentes presentes no evento. Objetivo: Relatar a experiência de conversas de educação em saúde sobre ISTs com adolescentes do ensino médio de Uruguaiana-RS. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo na modalidade de relato de experiência. A atividade foi realizada em agosto de 2019, em sala de aula da universidade. Estiveram presentes nos diálogos 88 adolescentes oriundos de escolas públicas e privadas. A participação foi voluntária, os temas foram pré-selecionados e abordaram questões sobre sinais e sintomas, transmissão e prevenção para HIV/Aids, sífilis, gonorreia, herpes genital, hepatites virais e papiloma vírus humano. As sessões foram em grupos de 15 a 20 indivíduos e a duração das conversas foi em média de 30 minutos. Após a exposição dialogada de cada questão predeterminada, os jovens analisaram se a assertiva era verdadeira ou falsa. Posteriormente, 4 acadêmicos de medicina, integrantes do NUPEEDIC, disseminaram as informações a respeito das alternativas abordadas. Resultados: Participaram da ação 33 (37,5%) jovens do gênero masculino e 55 (62,5%) do gênero feminino. Mesmo que os alunos já tivessem contato prévio com esses assuntos nas escolas, há um grau elevado de desconhecimento da existência do preservativo feminino, bem como incertezas sobre a necessidade do uso de preservativo em relações homossexuais e sobre as finalidades dos anticoncepcionais orais. Com isso, percebe-se que a atividade favoreceu a construção de novas informações e a identificação da necessidade de abordagem mais prática - com materiais expositivos - e dialogada sobre a temática acerca da saúde sexual com essa população. Foi notório o interesse do público pelo assunto detectado pelos diversos questionamentos que surgiram durante as falas. Dessa maneira, a ausência de diálogos sobre assuntos relacionados às ISTs, a falta de conhecimento ou informações equivocadas podem agravar a vulnerabilidade dos jovens na aquisição e disseminação dessas doenças. Conclusão: Os diálogos desenvolvidos contribuíram para a aprendizagem dos adolescentes sobre as ISTs e favoreceram espaços de fala sobre um assunto que geralmente é visto como um tabu.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
MERIGO, G.; SEHNEM, G.; FERRETTI, E.; GUSTAVO CROCHEMORE DA SILVA, L.; FELIPE PERES REZER, J. DIÁLOGOS SOBRE INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (ISTS) COM ADOLESCENTES. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.