PREVALÊNCIA DE SINTOMAS DE ANSIEDADE EM ESTUDANTES DO CURSO DE MEDICINA DA UNIPAMPA

  • Tales da Costa
  • Laura Simon
  • Camila Simonetti Pase
  • Lucas Pitrez Mocellin
Rótulo Ansiedade, Estudantes, Medicina

Resumo

Introdução: As escolas médicas têm sido consideradas ambientes estressantes para os alunos que ingressam no ensino superior, refletindo em uma alta e crescente prevalência de sintomas ansiosos entre os estudantes de medicina (MAYER et al., 2016). Fatores envolvidos na gênese dos sintomas ansiosos incluem a alta carga horária, pressão acadêmica e emocional, extensas jornadas de estudo, privação de sono e fragilidade financeira (PUTHRAN et al., 2016). Além disso, identificam-se muitos casos de sub-diagnóstico e sub-tratamento, associados a uma baixa procura a serviços de saúde psiquiátrica por essa população (TIJA, GIVENS, SHEA, 2005). Objetivo: Caracterizar o perfil socioeconômico dos estudantes do curso de medicina da UNIPAMPA e investigar a prevalência de sintomas ansiosos nessa população. Materiais e métodos: Estudo transversal realizado com 152 alunos do curso de medicina. Os sujeitos de pesquisa responderam um questionário socioeconômico que avaliou sexo, idade, ano da faculdade, satisfação com o curso, moradia e situação financeira. Para avaliação dos sintomas ansiosos, utilizou-se a ferramenta State-Trait Anxiety Inventory (STAI), em uma forma traduzida e validada para o português brasileiro. O STAI é uma escala organizada em duas etapas, cada uma com 20 itens e uma pontuação variando de 1-4 para cada item, de acordo com a intensidade do sintoma pesquisado. Esta escala avalia a intensidade do estado de ansiedade e a frequência de traço de ansiedade. Para análise descritiva dos resultados, utilizou-se o SPSS 17.0. Esse estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa, sob nº 3.103.155. Resultados e discussão: Os resultados mostram que a população da pesquisa tem idade média de 23 anos, é majoritariamente feminina (54%), solteira (90,1%), com renda mensal de até dois salários mínimos (62,5%). Os acadêmicos oriundos do Rio Grande do Sul representam 42% da amostra. Identificou-se, por meio do STAI, a prevalência de estado ansioso moderado em 56,6% dos participantes e grave em 42,1%, ultrapassando os valores de 51,3% e 30,4%, respectivamente, obtidos em um estudo multicêntrico que avaliou 22 escolas médicas brasileiras (MAYER, et al., 2016). Além disso, cerca de 67% dos acadêmicos foram classificados com traço de ansiedade moderada e 30,3% com traço de ansiedade grave. Conclusão: A alta prevalência de sintomas ansiosos encontrada no estudo mostra a necessidade da elaboração de estratégias para promover a qualidade de vida dos estudantes. Ainda, acredita-se que a localização da universidade distante dos grandes centros urbanos, a utilização de metodologias ativas de ensino, bem como a atual infraestrutura do curso de medicina, sejam importantes fatores causais relacionados com os dados obtidos. Futuras análises serão realizadas para confirmar essas relações.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
DA COSTA, T.; SIMON, L.; SIMONETTI PASE, C.; PITREZ MOCELLIN, L. PREVALÊNCIA DE SINTOMAS DE ANSIEDADE EM ESTUDANTES DO CURSO DE MEDICINA DA UNIPAMPA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.