PREVALÊNCIA DE ÓBITOS E MOTIVO DE INTERNAÇÕES DE IDOSOS EM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA CIDADE DE BAGÉ, RS

  • Larissa Paz
  • Renata de Paula Cardoso
  • Ana Paula Menezes
  • Caroline Silveira Barreto
  • Guilherme Cassão Marques Bragança
  • Henry Ritta
  • Ana Carolina Zago
Rótulo Neoplasias, pacientes, serviço, saúde

Resumo

Introdução: O envelhecimento é uma etapa natural e fisiológica que faz parte do processo da vida humana, em que ocorre o fato das células somáticas começarem o realização da apoptose e não são mais substituídas por novas células, como ocorre com os jovens. Devido à idade, os idosos utilizam com maior frequência os serviços de saúde, como os hospitalares, e de maneira mais intensiva que as demais faixas etárias. Isso acaba envolvendo um maior custo, maior prolongação aos tratamentos e menor e mais complicada recuperação. A hospitalização é considerada de alto risco devido à idade avançada desses pacientes e também devido a uma maior susceptibilidade a complicações causadas pelo repouso no leito durante o período de internação, algumas vezes podendo o paciente ir a óbito devido a gravidade de sua enfermidade. Metodologia: Trata-se de um estudo quantitativo, transversal, retrospectivo, descritivo e documental, realizado em um hospital universitário localizado na cidade de Bagé-RS, no qual foi avaliado o número de internações de idosos no ano de 2018, o motivo da internação, se haviam reinternações desses pacientes, o tipo de convênio, idade e o número de óbitos. Este estudo traz dados parciais, sendo integrado a um projeto intitulado A Farmácia e o Uso Racional de Medicamentos tendo sido aprovado pelo Comitê de Ética, sob n° de protocolo 102092/2018. Resultados: Durante o período estudado ocorreu a internação de 912 pacientes idosos (90,3%) sendo que 89 foram a óbito (9,7%). Dentre os pacientes que foram a óbito, 51% (n=46) eram do sexo feminino. A faixa etária dos pacientes internado no período do estudo foi de 60 a 97 anos. No momento da internação, 33% (n=30) dos pacientes que foram a óbito internaram por neoplasias, 16% (n=14) por pneumonia, 9% (n=8) por insuficiência cardíaca congestiva, 6% (n=5) por doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), 8 pacientes (9%) foram internados por sepse e 27% (n=24) internaram por outros motivos. Dentre os 89 pacientes que foram a óbito, 36 deles realizaram uma nova internação em um período de até uma semana após a ultima alta no hospital. O tempo de internação variou de um dia a dois meses, sendo que 34 pacientes ficaram mais de 10 dias internado. Quanto ao tipo de convênio, 92% (n=82) dos pacientes que foram a óbito internaram pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Conclusão: Através desta pesquisa pode-se observar que o maior tempo de internação encontra-se relacionado com os casos de óbitos em idosos, o que pode ser devido a uma lenta evolução no tratamento e o contato com o ambiente hospitalar por um longo período, que pode tanto levar à melhora, como debilitar o estado de saúde de alguns pacientes. As neoplasias aparecem como a principal causa de óbito em idosos internados, muitos dos quais permanecem em cuidados paliativos até o final da vida e por opção dos familiares, ficam sob os cuidados dos profissionais de saúde no ambiente hospitalar.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
PAZ, L.; DE PAULA CARDOSO, R.; PAULA MENEZES, A.; SILVEIRA BARRETO, C.; CASSÃO MARQUES BRAGANÇA, G.; RITTA, H.; CAROLINA ZAGO, A. PREVALÊNCIA DE ÓBITOS E MOTIVO DE INTERNAÇÕES DE IDOSOS EM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA CIDADE DE BAGÉ, RS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.