TEMPO DE USO DO CELULAR E A RELAÇÃO COM A APTIDÃO FÍSICA DE ESCOLARES

  • Vitória Rocha
  • Miriam Raquel de Freitas Monteiro
  • Saulo Menna Barreto Dias
  • Júlia Rodrigues Rocha
  • Susane Graup do Rego
  • Marta Iris Camargo Messias da Silveira
Rótulo Aptidão, Física, Educação, Escolares, Tempo, tela

Resumo

A Educação Física (EF) escolar pode proporcionar para o escolar, além da prática esportiva, a avaliação de sua aptidão física, bem como, trabalhar a educação em saúde, visando prevenir o aparecimento de doenças e outros fatores associados. Estas atividades maximizam o cuidado à saúde e promovem uma reflexão sobre a importância das aulas de EF. Neste contexto, discutir com os alunos sobre a importância de um estilo de vida saudável, com níveis adequados de atividade física e alimentação adequada, se torna de suma importância. O sedentarismo, somado ao uso demasiado de celulares tem apresentado associação com problemas de saúde, por estarem relacionados à baixos níveis de aptidão física relacionada à saúde (AFRS) de adolescentes. Nesta perspectiva, o objetivo deste estudo foi analisar o tempo de uso no celular e a relação com a AFRS de escolares de Uruguaiana/RS. Este estudo descritivo foi realizado pelo PIBID Educação Física com escolares de 10 a 17 anos de Uruguaiana/RS, sendo parte de um projeto denominado: Atividade Física, Aptidão Física e Estado Nutricional em Escolares de Uruguaiana/RS: análise temporal 2011-2019 que foi aprovado pelo Comitê de Ética mediante parecer Nº 2.961.732 e está sendo desenvolvido em 3 escolas participantes do Programa. A população deste estudo foi constituída por escolares matriculados na rede pública de ensino, que por meio do cálculo amostral determinou a necessidade de avaliar 1000 adolescentes, que ainda estão em processo de avaliação. Os escolares responderam a um questionário sobre o tempo médio que utilizavam o celular para diversão em dia de semana (TCDS) e em dias de final de semana (TCDFS), bem como, foram avaliados os testes de AFRS: flexibilidade (Teste de sentar e alcançar), a força/resistência abdominal (Teste de um minuto), resistência cardiorrespiratória (Teste de 9 minutos) e IMC, todos de acordo com as recomendações do PROESP-Brasil. Na análise dos dados foi utilizada estatística descritiva e Correlação de Pearson, considerando p<0,05. As avaliações prévias foram realizadas com 451 escolares que apresentavam média de idade 13,3±1,98 anos, sendo que a maioria do grupo foi constituída por estudantes do sexo masculino (53,9%). O TCDS médio foi de 372,4 (±356,1) e o TCDFS foi de 382,4 (±392,2) minutos. A média de flexibilidade foi de 29,4 (±9,72) repetições; de Resistência cardiorrespiratória foi de 1198,1 (±309,2) metros e IMC foi de 20,8 (±13,6) kg/m2. Ao correlacionar as variáveis foi possível perceber que no grupo geral o tempo em celular teve correlação significativa inversa com a flexibilidade tanto em dia de semana (p=0,030) quanto em final de semana (0,017). Também, o IMC teve correção moderada com o tempo de uso, sendo que quanto maior o tempo maior é o IMC (p=0,027). Com base nos resultados é possível concluir que o tempo de uso do celular tem um impacto negativo na AFRS, principalmente na diminuição dos níveis de flexibilidade e aumento do excesso de peso corporal.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
ROCHA, V.; RAQUEL DE FREITAS MONTEIRO, M.; MENNA BARRETO DIAS, S.; RODRIGUES ROCHA, J.; GRAUP DO REGO, S.; IRIS CAMARGO MESSIAS DA SILVEIRA, M. TEMPO DE USO DO CELULAR E A RELAÇÃO COM A APTIDÃO FÍSICA DE ESCOLARES. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.