QUANTIFICAÇÃO ESTACIONAL DE ANTOCIANINAS EM FORRAGEIRAS DE CAMPO NATIVO.

  • Vinícius Oberto
  • Victor Silva Cheuiche Oberto
  • Derli João Siqueira da Silva
  • Guilherme Cassão Marques Bragança
Rótulo antioxidante, compostos, fenólicos, forragem

Resumo

Antocianinas compreendem um grupo de polifenóis envolvidos em funções fisiológicas e encontrados em várias famílias botânicas, onde sua quantidade varia conforme as condições ambientais a que estão expostos os vegetais. Em animais, estudos sugerem que as antocianinas possuem efeito regulador na expressão e na atividade da enzima superóxido dismutase (SOD), integrante do sistema de defesa antioxidante. Substratos vegetais ricos em antocianinas estão sendo estudados na suplementação de ruminantes com o intuito de estimular o sistema de defesa para prevenir perdas produtivas devido ao estresse oxidativo, e consequentemente, reduzir gastos com o manejo animal. O presente trabalho teve por objetivo determinar as quantidades estacionais de antocianinas presentes em forrageiras de campo nativo durante o período de janeiro a dezembro do ano de 2018. Para a realização do experimento, foi isolada uma área de 9 m2, constituída por pastagem de campo nativo, inserida nas coordenadas geográficas: 30°22'10.8"S 53°47'47.0"W. No último dia de cada estação do ano de 2018, foram coletadas amostras das forrageiras, retirando-se o material vegetal rente ao solo. As amostras foram congeladas e enviadas ao Laboratório de Farmacognosia da URCAMP para análise. Espécimes foram coletados e encaminhados ao Laboratório de Forragicultura da URCAMP para identificação botânica. A concentração total de antocianinas (CTA) foi estabelecida por meio de espectrofotometria, a um comprimento de onda para a absorbância de 535 nm. As análises foram realizadas em triplicata e calculadas as médias aritméticas das respectivas estações. Identificou-se as seguintes espécies forrageiras na área estudada: Andropogon selloanus, Cenchrus echinatus, Desmodium incanum, Digitaria ciliari, Paspalum acuminatum, Paspalum dilatatum, Paspalum notatum, Paspalum urvillei, Pennisetum clandestinum, Piptochaetium montevidense e Sporobulus poiretii.Os resultados obtidos para antocianinas, expressos em CTA média por estação foram de: 11,38 mg/100mg de matéria verde (MV) para o verão; 9,94 mg/100mg de MV para o outono; 10,91 mg/100mg de MV para o inverno; e 3,48 mg/100mg de MV para a primavera, indicando que o estresse de calor e radiação ultravioleta promovidos no verão são, para as espécies em questão, os principais fatores de estimulação do metabolismo especializado de síntese de flavonóides, aumentando a concentração de compostos antociânicos neste período. A partir dos resultados foi possível constatar que há presença de antocianinas em forrageiras de campo nativo e que as concentrações destes compostos variaram durante as estações do ano, possivelmente como reflexo de variações ambientais naturais na área experimental e/ou de variações de natureza fenológica dos vegetais.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
OBERTO, V.; SILVA CHEUICHE OBERTO, V.; JOÃO SIQUEIRA DA SILVA, D.; CASSÃO MARQUES BRAGANÇA, G. QUANTIFICAÇÃO ESTACIONAL DE ANTOCIANINAS EM FORRAGEIRAS DE CAMPO NATIVO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.