FAUNA EPIEDÁFICA DO SOLO EM UMA ÁREA DE CAMPO NATIVO EM PROCESSO DE RESTAURAÇÃO

  • Kellyn Klein
  • Maria Laura Martins Silva
  • Rafael Pires dos Santos
  • Vanessa Gonçalves da Rosa
  • Mirla Andrade Weber
  • Frederico Costa Beber Vieira
Rótulo Qualidade, solo, biodiversidade, invertebrados, uso, angico-vermelho

Resumo

O adequado funcionamento e a qualidade dos solos são dependentes de diversos aspectos bióticos e abióticos. Dentre os aspectos bióticos, a fauna edáfica possui papel essencial nos processos do solo, como na ciclagem de nutrientes e na decomposição da matéria orgânica, promovendo a melhor agregação, porosidade e infiltração de água. A fauna edáfica é sensível a fatores como temperatura, umidade, textura, porosidade e manejo. Com base nisso, esse estudo teve como objetivo descrever a diversidade da fauna epiedáfica do solo em uma área de campo nativo em restauração com implementação de angico-vermelho. O estudo foi realizado na área experimental da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO), localizada no município de São Gabriel, RS. O uso do solo é caracterizado por um plantio de Parapiptadenia rígida (Benth.) Brenan (angico-vermelho) com 6,5 anos de idade, cuja área apresenta vegetação campestre natural em processo de restauração. O experimento foi iniciado em maio de 2018, com primeira coleta realizada no outono. Foram instaladas 16 armadilhas, elaboradas a partir do método Provid, dispostas em uma linha contínua com distância de oito metros entre elas e dividas entre as parcelas de campo nativo (CN) com quatro armadilhas e de campo nativo com angico-vermelho (CA) com 12 armadilhas. As armadilhas permaneceram na área pelo período de sete dias. Foram coletadas amostras de solo da camada de 0-10 cm e serapilheira do entorno das armadilhas para calcular a umidade e biomassa vegetal do solo. Além disso, a temperatura foi medida a 5 cm de profundidade do solo. Os organismos obtidos a partir da triagem do material coletado foram identificados a nível de ordem. O número médio de indivíduos contabilizados por amostra foi de 230. As ordens mais numerosas foram Collembola (2351), Hymenoptera (380), Acarina (372), Diptera (172) e Araneae (70). Ordens menos observadas foram: Thysanoptera (69), Embioptera (36), Coleoptera (35), Diplura (19), Thysanura (7), Hemiptera (6), Isoptera (5), Opiliones (5), Protura (3), Blattodea (1), Isopoda (1), Mecoptera (1), Orthoptera (1) e Plecoptera (1). Foram contados 17 adultos e 81 larvas e jovens sem ordens identificadas. Uma armadilha na parcela de CA foi encontrada fora do local de instalação e danificada, sendo contabilizado apenas oito indivíduos. As médias de umidade, temperatura e serapilheira, pesada como matéria seca, foram respectivamente 0,273g g-1, 19,9°C e 83,167g/m2. As ordens verificadas nas armadilhas refletem a diversidade similar aos padrões observados em estudos semelhantes sobre fauna edáfica. Os organismos estudados são especialmente importantes, uma vez que resultam em melhorias nos atributos físicos, químicos e biológicos dos solos. Dessa forma, observar a qualidade do ambiente em diferentes aspectos e a sua habilidade de regeneração após eventos de antropização pode depender em parte do estudo de biodiversidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
KLEIN, K.; LAURA MARTINS SILVA, M.; PIRES DOS SANTOS, R.; GONÇALVES DA ROSA, V.; ANDRADE WEBER, M.; COSTA BEBER VIEIRA, F. FAUNA EPIEDÁFICA DO SOLO EM UMA ÁREA DE CAMPO NATIVO EM PROCESSO DE RESTAURAÇÃO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.