PLASTOCRONO NA CULTURA DA SOJA COM DIFERENTES GRAUS DE MATURIDADE RELATIVA EM ITAQUI-RS

  • Airton Balensiefer
  • Rodrigo Puget Marengo
  • Guilherme Aarão de Souza Carpes
  • Carlos Miguel Corrêa Schneider
  • Urilan Jones Vargas Scotto Calegaro
  • Daniel Ândrei Robe Fonseca
Rótulo Temperatura, Escala, fenológica, Grupo, maturidade, relativa

Resumo

O grão de soja é a principal fonte de óleo vegetal existente no mundoO objetivo do trabalho foi determinar o plastocrono da cultura da soja em diferentes cultivares e sob diferentes épocas de semeadura. O experimento foi conduzido na área experimental da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), Campus Itaqui, na safra 2017/2018. Sob coordenada de 29° 09 23,75" S e 56° 33 24,29" W, altitude de 74 m, localizada na fronteira Oeste do Rio Grande do Sul. Segundo a classificação climática de Köppen, o clima é do tipo Cfa, subtropical sem estação seca definida apresentando verões quentes e o solo do local é classificado como Plintossolo Argilúvico eutrófico petroplintico. O delineamento experimental foi de blocos ao acaso, composto por três cultivares de diferentes grupos de maturidade relativa (GMR) e em diferentes épocas de semeadura, sendo as cultivares escolhidas NS 4823 RR (GMR 4.8), TMG 7062 IPRO (GMR 6.2) e TEC 7849 IPRO (GMR 7.8) sendo semeadas em 08/11/2017, 19/12/2017 e 18/01/2018. A área da parcela foi constituída por quatro linhas de cinco metros com espaçamento de 0,50 metros entre linhas. A densidade foi de 15 plantas por m-² e as avaliações foram realizadas nas duas linhas centrais. A colheita das parcelas foi realizada quando as plantas de soja atingiram o estágio fenológico de R8 da escala fenológica de Fehr & Caviness (1977). Após a emergência foram demarcadas 4 plantas nas linhas centrais de cada parcela e contabilizou-se semanalmente o número de nós visíveis da haste principal, considerando apenas o nó visível se o mesmo estivesse com a borda de ao menos um limbo foliar desenrolado e não mais se tocando. Realizou-se o cálculo da temperatura média do ar e com os valores de número de nó (NN) na haste principal de cada planta e foi feita a regressão linear dos valores com a STa, calculando o plastocrono pelo inverso do coeficiente angular da regressão linear. Os valores de plastocrono foram submetidos à análise de variância pelo teste F, havendo diferença significativa, à comparação de médias foi feita usando o teste de Tukey (p<0,05). Os valores de plastocrono na semeadura na época 1 e época 3 não diferiram entre as cultivares, na época 2 a cultivar de GMR 4.8 (85,36 ºC dia nó¹) foi superior de GMR 7.8 (58,20 dia nó-1) e GMR 6.2 (64,22 dia nó-1). Os valores de GMR 6.2 e 4.8 não diferiram estatisticamente dentre as épocas, já a de GMR 7.8 na época 3 (73,76 dia nó-1) mostrou-se superior a época 2 (58,20 dia nó-1) e ambos valores não diferiram da época 1 (67,83 dia nó-1). Com isso conclui-se que a semeadura na época 1 e época 3 não interferiram no ciclo de desenvolvimento vegetativo das cultivares e a época 2 reduz a fase vegetativa da cultivar de GMR 7.8.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
BALENSIEFER, A.; PUGET MARENGO, R.; AARÃO DE SOUZA CARPES, G.; MIGUEL CORRÊA SCHNEIDER, C.; JONES VARGAS SCOTTO CALEGARO, U.; ÂNDREI ROBE FONSECA, D. PLASTOCRONO NA CULTURA DA SOJA COM DIFERENTES GRAUS DE MATURIDADE RELATIVA EM ITAQUI-RS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.