NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS AGRICULTORES SOBRE PLANTAS ALIMENTICIAS NÃO CONVENCIONAIS EM SANTANA DO LIVRAMENTO, RS

  • Bruna Ferreira
  • Simone Braga Terra
Rótulo Agricultura, familiar, Soberania, alimentar, Bioma, Pampa

Resumo

Plantas alimentícias não convencionais (PANC) refere-se a todas as plantas que possuem uma ou mais partes comestíveis para humanos, sendo elas espontâneas ou cultivadas, nativas ou exóticas, que não estão incluídas em nosso cardápio cotidiano (KINUPP; LORENZI, 2014). Agricultores familiares, ao terem consciência do potencial dessas plantas alimentícias, além de diversificarem sua alimentação habitual, poderão cultivá-las aproveitando áreas improdutivas ou de baixa fertilidade, já que as PANC possuem rusticidade natural. O trabalho objetivou avaliar o nível de conhecimento e de consumo de agricultores moradores em assentamentos de reforma agrária sobre as PANC, bem como identificar botanicamente as espécies presentes nos locais estudados. A pesquisa foi realizada entre março e maio de 2019 em três assentamentos da reforma agrária de Santana do Livramento, RS, com 15 informantes-chave, utilizando como metodologia a técnica de amostragem tipo bola de neve, sendo uma forma de amostra não probabilística que utiliza cada entrevistado para localizar pessoas que tenham o perfil da pesquisa. Perguntas pré-elaboradas foram respondidas pelos agricultores assentados, além do método turnê guiada, que consiste no acompanhamento pela propriedade rural, para identificação das espécies vegetais de PANC apontadas pelos informantes. A pesquisa revelou que existe pouco conhecimento dos agricultores em relação ao uso e consumo das PANC, já que quase não existe o hábito de consumo nas refeições diárias, preferindo utilizar as hortaliças cultivadas. Porém, existe grande conhecimento destas mesmas plantas para fins medicinais, na forma de chás, emplastos, xaropes e como aromatizante no chimarrão (hábito tradicional dos campesinos desta região de fronteira). Foram identificadas botanicamente 18 PANC: caruru (Amaranthus deflexus), funcho (Foeniculum vulgare), caraguatá (Eryngium elegans), radite do mato (Hypochearis albiflora), buva (Coniza bonariensis), carqueja (Baccharis trimera), picão branco (Galinsoga parviflora), picão preto (Bidens pilosa) e cravo de defunto (Tagetes patula), folha de abóbora (Curcubita aurantia), cavalinha (Equisetum arvense), guanxuma (Sida spinosa), mamica de cadela (Brosimum gaudichaudii), coração da bananeira (Musa paradisíaca), tansagem (Plantago major), erva de bicho (Polygunum acre), língua de vaca (Rumex robitusifolius), beldroega (Portulaca oleracea) e erva santa (Aloysia graiíssima). As espécies foram localizadas em pastagens naturais (50%), em pomares (16,6%), hortas domésticas (16,6%), jardim doméstico (5,5%), fragmento florestal (5,5%) e em beira de estradas (5,5%).

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
FERREIRA, B.; BRAGA TERRA, S. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS AGRICULTORES SOBRE PLANTAS ALIMENTICIAS NÃO CONVENCIONAIS EM SANTANA DO LIVRAMENTO, RS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.