INFLUÊNCIA DE EXTRATOS DE ALECRIM E MANJERICÃO NO PERCENTUAL DE GERMINAÇÃO EM SEMENTES DE ARROZ

  • Lívia Islabão
  • Nairiane dos Santos Bilhalva
  • Weliton de Almeida Lansana
  • Andriéli Hedlund Bandeira
  • Patricia Marini Madruga
Rótulo Oryza, sativa, L, Sustentabilidade, Cultivos, orgânicos, Qualidade

Resumo

O arroz é uma excelente fonte de energia, uma vez que possui alta concentração de amido, além de fornecer proteínas, vitaminas, minerais e possuir baixo teor de lipídios. Além disso, esta cultura se destaca por ser um dos principais alimentos da dieta, sendo responsável por fornecer, em média, 27% dos carboidratos, 20% das proteínas e 3% dos lipídios da alimentação. Na busca de uma alimentação mais saudável os consumidores estão adquirindo produtos oriundos do sistemas orgânico, consequentemente, esses produtos vem ganhando espaço nas gondolas e um incremento de renda ao produtor. No entanto, um produto para obter a certificação de orgânico necessita de sementes oriundas de mesmo sistema de cultivo, logo, pesquisas que visem garantir a qualidade de sementes são imprescindíveis para a viabilidade do sistema orgânico. Sendo assim esse trabalho tem por objetivo avaliar diferentes tratamentos de sementes de arroz oriundo de sistema de cultivo orgânico. O trabalho foi desenvolvido no Laboratório de grãos e sementes do Instituto Federal Farroupilha-Campus Alegrete, com sementes oriundas do Assentamento Santa Maria localizado em Manoel Viana,RS.O delineamento experimental adotado foi inteiramente casualizado, com quatro repetições. Os tratamentos testados foram: extrato de alecrim, extrato de manjericão e produto químico (vitavax - marca comercial), que foram adicionados as unidades experimentais e posteriormente, foram avaliadas a germinação de sementes e sementes dormentes, aos 90 dias após a colheita das sementes. Após a analise de variância as médias foram comparadas entre si pelo teste Tukey a nível de 5% de nível de erro. As sementes tratadas com produto químico apresentaram o maior percentual de germinação de plantas normais (64,25%) diferindo significativamente dos demais tratamentos avaliados ( alecrim: 21,50% e manjericão: 29,00%). Em contrapartida, as sementes tratadas com extrato de alecrim apresentou o maior percentual de sementes dormentes (70,50%), o que justifica o seu baixo percentual de germinação de plantas normais, logo, os menores índices de dormência foram apresentados pelas sementes tratadas pelo produto químico (20,75 %). O baixo percentual de germinação obtidos pelos diferentes tratamentos, podem estar relacionados ao tempo após a colheita e que foram realizadas as amostragens, visto, que o arroz possui um período de latência após sua colheita, sendo que a mesma é quebrada naturalmente durante o período de armazenamento. Sendo assim, conclui-se que os extratos utilizados não apresentaram índices adequados de germinação, interferindo diretamente na qualidade de sementes.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
ISLABÃO, L.; DOS SANTOS BILHALVA, N.; DE ALMEIDA LANSANA, W.; HEDLUND BANDEIRA, A.; MARINI MADRUGA, P. INFLUÊNCIA DE EXTRATOS DE ALECRIM E MANJERICÃO NO PERCENTUAL DE GERMINAÇÃO EM SEMENTES DE ARROZ. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.