DESENVOLVIMENTO DE STATICE DE CORTE IRRIGADA EM DIFERENTES ÉPOCAS DE CULTIVO EM SANTA MARIA/RS.

  • Paola Buffon
  • Elton Ferreira Lima
  • Jainara Fresinghelli Neto
  • Regina Tomiozzo
  • Natalia Teixeira Schwab
  • Nereu Augusto Streck
Rótulo Limonium, sinuatum, Filocrono, Temperatura

Resumo

Desde 2013, se observa no Brasil uma movimentação positiva na produção bem como na comercialização de flores e plantas ornamentais. Statice (Limonium sinuatum Mill.) é uma popular flor de corte, a qual pertencente a família Plumbaginaceae com o centro de origem na região Sul Asiática. Popularmente conhecida por flor seca, é uma planta anual, com desenvolvimento em regiões de clima ameno. Visto a necessidade de se aprofundar em estudos básicos sobre essa espécie, o presente trabalho tem como objetivo avaliar o desenvolvimento da cultura através do filocrono em duas épocas de cultivo no município de Santa Maria/RS. Os experimentos foram conduzidos na área didático-experimental do Setor de Horticultura da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), RS (alt=95m, lat=29ºS e lon=53ºW) onde o clima é classificado como Cfa (subtropical). As sementes comerciais de statice sortidas foram dispostas em bandejas de 50 células preenchidas com substrato comercial MECPLANT® e acondicionadas em local protegido para germinação. Quando as plantas apresentaram 6 folhas verdadeiras foram transplantadas para o campo, em canteiros corrigidos e adubados mediante análise de solo. As dimensões desses canteiros foram de 28 m de comprimento por 1,0 m de largura, contendo duas linhas paralelas com espaçamento de 50 cm e 30 cm entre as plantas. O delineamento experimental utilizado foi blocos ao acaso, com três repetições, ficando cada repetição uma parcela de 12 plantas, sendo avaliadas 8 plantas centrais, totalizando 24 plantas avaliadas por época. A primeira época (EPC 1) foi transplantada no dia 09/02/2019 e a segunda época (EPC 2) no dia 16/05/2019, ou seja, uma época foi cultivada no verão/outono (T°med = 21,6°) e outra no outono/inverno (T°med = 16,4°). A irrigação por gotejamento foi realizada conforme a necessidade da cultura. Utilizando o parâmetro de desenvolvimento para estimar a taxa de emissão de folhas nas plantas de statice, filocrono, pode-se observar que para a EPC 1 tivemos emissão de folhas mais rápida (menor filocrono) quando comparada a EPC 2 com emissão mais lenta (maior filocrono). Para a EPC 1 foi encontrado uma média de 0,85 dias.folha-1 e para EPC 2 a média de 0,96 dias.folhas-1. Diante disso, nota-se que, apesar da proximidade, há variação na taxa de emissão de folhas em plantas de statice. Um dos fatores que explica essa variação pode ser atribuído à diferença de temperatura encontrada entre as duas épocas. Para a EPC 1 (cultivo no final do verão e início do outono) há maiores temperaturas, logo isso influencia na emissão de folhas, sendo ela maior. Diferente da EPC 2 que é cultivada no outono/inverno, onde temos temperaturas menores e a taxa de emissão de folhas fica mais lenta. Juntamente com a temperatura, outra hipótese para a ocorrência desta variação é dada à expressão genética (diferenças entre as variedades) visto que os experimentos são realizados com o uso de mix de sementes.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
BUFFON, P.; FERREIRA LIMA, E.; FRESINGHELLI NETO, J.; TOMIOZZO, R.; TEIXEIRA SCHWAB, N.; AUGUSTO STRECK, N. DESENVOLVIMENTO DE STATICE DE CORTE IRRIGADA EM DIFERENTES ÉPOCAS DE CULTIVO EM SANTA MARIA/RS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.