AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE OOCISTOS DE COCCÍDEOS EM AMBIENTE DESTINADO AO ABRIGO DE OVINOS

  • Dener Moreira
  • Fernanda Lucero Rodrigues
  • Luiane Pacheco da Silva
  • Gladis Ferreira Corrêa
  • Anelise Afonso Martins
  • Lourdes Caruccio Hirschmann
Rótulo Coccidiose, Comedouros, Desinfecção

Resumo

A coccidiose é uma doença intestinal dos ovinos, causada por um protozoário do gênero Eimeria spp, ocorrendo pela ingestão de oocistos esporulados presentes em ambientes contaminados pelas fezes de animais. A enfermidade tem grande importância em animais jovens, pela incapacidade do sistema imunológico de combater o parasita. Ocasiona perda de peso, retardo no crescimento, diarreia intensa podendo ocasionar a morte. A contaminação dos ovinos está relacionada a ingestão de água e alimentos contendo oocisto, com isso, comedouros e bebedouros em locais inadequados são possíveis fonte perpetuação da doença no rebanho. Com isso, objetivou-se verificar a presença de coccídeos no ambiente e em cochos destinados a alimentação de ovinos em sistema semi-extensivo. O trabalho foi realizado de julho de 2019 a setembro de 2019, na área destinada ao abrigo de 45 ovelhas e 37 cordeiros (aprisco) na fazenda escola da Unipampa/Dom Pedrito. O aprisco recebe higienização semanal com desinfecção do chão de alvenaria, comedouros e bebedouros dos animais. Os ovinos são recolhidos ao entardecer e recebem silagem de milho, concentrado e água a vontade. Durante cinco semanas, pela manhã, foram realizadas duas coletas semanais de 80 gramas de sobras de silagem deixados do dia anterior nos cochos térreos e suspensos, também foram coletadas amostras de feno do chão do aprisco utilizados como cama dos animais. As coletas ocorreram no dia posterior e anterior a desinfeção do ambiente e eram colocadas em plásticos individuais identificados e encaminhadas ao laboratório de parasitologia da Unipampa/Dom Pedrito. Para a verificação de coccídeos foi realizada a técnica de flutuação simples, método de Willis & Mollay, qualitativa, e técnica de McMaster modificada, para quantificação dos oocistos por grama de material (OOPG), técnicas fundamentadas na flutuação de oocistos em solução hipersaturada de cloreto de sódio. Foram identificados a presença de oocistos em 100% das amostras dos comedouros térreos e feno, devido a contaminação fecal nessas áreas, nos cochos suspensos não foram identificados oocisto. Quando comparados a quantidade de oocistos de acordo com dia da coleta, verificou-se que anteriormente a limpeza do aprisco a quantificação nos cochos e feno foi quatro vezes maior do que no dia posterior a higienização do ambiente. Média dos cochos 750 OOPG e feno 1050 anteriormente a limpeza, enquanto as médias um dia após a limpeza foi de 188 OOPG nos comedouros e de 260 OOPG no feno das camas. Com isso, conclui-se que o ambiente onde os animais estão inseridos são potenciais fontes de infecção de coccídeos e para diminuir a contaminação os alimentos devem ser oferecidos em recipientes suspensos evitando o contato com as fezes. Da mesma forma, a higienização do ambiente diminui drasticamente a quantidade de oocistos de coccídeos ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
MOREIRA, D.; LUCERO RODRIGUES, F.; PACHECO DA SILVA, L.; FERREIRA CORRÊA, G.; AFONSO MARTINS, A.; CARUCCIO HIRSCHMANN, L. AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE OOCISTOS DE COCCÍDEOS EM AMBIENTE DESTINADO AO ABRIGO DE OVINOS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.