DINÂMICA DA PARASITOSE GASTRINTESTINAL EM BÚFALOS JOVENS NATURALMENTE INFECTADOS NO MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL

  • Sandy da Fonseca
  • Sandy Fonseca
  • Marcele Ribeiro Corrêa
  • Lourdes Caruccio Hirschmann
  • Brenda Luciana Alves da Silva
  • Tisa Echevarria Leite
  • Anelise Afonso Martins
Rótulo Bubalinocultura, Parasitoses, Toxocara, vitulorum

Resumo

Introdução: Os bubalinos são animais dóceis, com aptidão para produção de carne, leite e tração, possuem boa adaptabilidade às condições climáticas e maior resistência a ectoparasitas. Mesmo rústicos são suscetíveis às doenças dos ruminantes, inclusive endoparasitose. A verminose é uma das causas da mortalidade dos bubalinos jovens, e o entendimento dos principais parasitas que acometem é necessário para o controle das infecções parasitárias. Objetivo: Identificar e quantificar parasitas gastrintestinais em terneiros bubalinos naturalmente infectados no município de Rosário do Sul- RS. Material e métodos: As avaliações foram realizadas na Estância Guará, entre agosto de 2018 e junho de 2019. Avaliou-se 40 terneiros dos cruzamentos das raças Murrah, Jafarabadi e Mediterrâneo, com idade inicial de 50 dias, mantidos com suas mães em área de 300 ha em condições extensivas. Foram coletadas amostras fecais dos animais a cada 30 dias e encaminhadas ao laboratório de parasitologia da Unipampa, campus Dom Pedrito- RS para realização dos exames coprológicos como OPG (ovos por grama de fezes) para a quantificação dos ovos de helmintos e coccídeos e coprocultura para identificar os gêneros parasitários presentes nos animais. Resultados e discussão: Foram realizadas 8 coletas de fezes, e verificado a presença de parasitas como nematódeos, cestódeos e coccídeos. Na primeira análise a média foi de 2664 OPG, sendo necessária a intervenção com anti-helmíntico Levamizol oral com 99% de eficácia, comprovado após a redução do OPG para 89. Na quinta avaliação, aos seis meses de idade dos animais, ocorreu novamente o aumento no OPG, tendo como média de 398 OPG foi realizada uma segunda dosificação com o mesmo princípio ativo, reduzindo a quantificação dos ovos para 23 OPG, na sexta avaliação. Na oitava avaliação a média de OPG foi de 188, mantendo-se dentro do preconizado que é de até 300 OPG. Em relação aos coccídeos foi verificada a média inicial de 1000 OOPG (ovos de oocistos por grama de fezes) e média final na oitava análise de 21 OOPG, não necessitando tratamento. Os gêneros identificados foi possível observar que inicialmente 95% dos parasitas referiam-se ao Toxocara vitulorum e 5% era de estrongilídeos, com o aumento da idade dos terneiros a frequência foi alterando, na quinta análise das fezes foi observado 52% do Toxocara, 43% de estrongilídeos e 3% de cestódeos. Na oitava coleta verificou-se a inversão dos gêneros, onde 96% dos parasitas foram estrongilídeos, principalmente, Haemonchus spp, Trichostrongylus spp e Ostertagia spp, 3% eram dos gêneros Toxocara vitulorum e 1% cestódeos. Conclusão: Verificou-se que quanto mais jovem o terneiro búfalo é mais suscetível à parasitose intestinal. Da mesma forma, o Toxocara vitulorum foi o parasita de maior ocorrência nos animais jovens e sua incidência foi diminuindo com o crescimento dos animais.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-28
Como Citar
DA FONSECA, S.; FONSECA, S.; RIBEIRO CORRÊA, M.; CARUCCIO HIRSCHMANN, L.; LUCIANA ALVES DA SILVA, B.; ECHEVARRIA LEITE, T.; AFONSO MARTINS, A. DINÂMICA DA PARASITOSE GASTRINTESTINAL EM BÚFALOS JOVENS NATURALMENTE INFECTADOS NO MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 28 ago. 2020.